30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

Só piora - 14/12/2023, 14:07 - Da Redação

Produtos de empresa de Cariani abasteciam rede do PCC, afirma PF

Renato Cariani está sendo investigado por desviar produtos químicos para fazer crack

Renato Cariani é dono da Anidrol Produtos
Renato Cariani é dono da Anidrol Produtos |  Foto: (Reprodução/Redes sociais)

O esquema de desvios de produtos químicos ligado a empresa do influenciador fitness Renato Cariani, 47, abastecia uma rede criminosa de tráfico de drogas internacional comandada por criminosos do PCC, segundo a Polícia Federal. O empresário foi alvo de operação da PF nesta semana. As informações são da Folha de S.Paulo.

Conforme a PF, Fábio Spinola Mota, apontado como membro do PCC e preso no início deste ano seria o elo entre Cariani e a facção criminosa. Solto no mês passado, ele foi alvo da operação junto com Cariani e Roseli Dorth, a sócia do influenciador em uma empresa para venda de produtos químicos, a Anidrol Produtos para Laboratórios Ltda., em Diadema.

Leia mais:

Fitness e bolsonarista; Conheça influencer investigado por tráfico

Renato Cariani abre o bico sobre operação da PF: "Fui surpreendido"

Empresa de influencer malhado tem passado de investigação

A PF trabalha com a hipótese de que o material adquirido legalmente pela Anidrol, compra rigidamente controlada pela PF, era desviada para a produção de cocaína e crack. Para justificar a saída dos produtos, eram emitidas notas fiscais falsas e depósitos em nome de laranjas, usando indevidamente o nome da multinacional AstraZeneca.

De acordo com a investigação, foram desviadas cerca de 12 toneladas de produtos como acetona, éter etílico, ácido clorídrico, cloridrato de lidocaína, manitol e fenacetina, substâncias utilizadas para transformar a pasta base de cocaína em pó (cocaína) ou em pedras (crack).

"Na nossa investigação, a gente identificou [Mota] como sendo o intermediário. Ele tem uma relação de amizade íntima com o sócio da empresa de produtos desviados. A gente o identifica como responsável pela elaboração dos documentos fraudulentos para que o produto, de fato, pudesse ser desviado", afirmou à Folha, o delegado Fabrizio Galli, chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF, e responsável pela operação.

A investigação tem o recorte tempo de 2016 a 2020. De acordo com a polícia, novas fases devem ser desencadeadas. O grupo teria lucrado valores superiores a R$ 6 milhões.

exclamção leia também