27º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

justiça - 01/03/2024, 19:30 - Bruno Dias

“Pagar pelo que fez comigo”, clama jovem sobre agressor no Carnaval

Lorrana Almeida dos Santos levou soco no rosto após ter o celular roubado na folia

Vítima roubada e agredida no dia 13 de fevereiro no Carnaval clamou por justiça nesta sexta-feira (1º)
Vítima roubada e agredida no dia 13 de fevereiro no Carnaval clamou por justiça nesta sexta-feira (1º) |  Foto: Bruno Dias / Portal Massa! | Reprodução / Redes Sociais

A jovem, Lorrana Almeida Santos, de 25 anos, clamou por justiça após ser vítima de roubo e agressão no Carnaval de Salvador. O caso aconteceu no dia 13 de fevereiro, no Circuito Barra-Ondina da folia, e o suspeito caiu no xilindró na última quinta-feira (29).

Completamente emocionada, Lorrana revelou, em conversa ao Portal MASSA!, que desenvolveu um receio em andar pelas ruas da capital baiana após vivenciar o acontecimento traumático. Além disso, a moça enfatizou o desejo do sujeito permanecer por um longo período atrás das grades como forma de 'pagar' pelos crimes cometidos.

“Primeira coisa que eu espero é que ele não seja solto. Que ele fique por lá e por muito tempo, pra ele pagar pelo que fez comigo. Se soltarem, significa que tudo isso aqui foi em vão e o que ele fez comigo, ele pode fazer com qualquer outra pessoa e isso é injusto”, clamou a jovem na manhã desta sexta-feira (1º).

Leia mais:

Suspeito de roubar e agredir mulher no Carnaval é preso na Bahia

Suspeito de roubar e agredir mulher na folia agia com bonde perigoso

Vídeo: vítima de violência no Carnaval revela medo de Salvador

A vítima também detalhou a ocorrência vivida naquela noite, expressando que tudo aconteceu muito rápido. Ela revisitou a memória várias vezes ao assistir à gravação feita por uma pessoa que curtia a folia soteropolitana. É importante ressaltar que o suspeito de roubo e agressão não agia sozinho na festividade e cometia os crimes em conjunto de um grupo.

“Olha, naquele momento eu nem tinha percebido que ele estava ali. Eu só consegui notar que era um grupo vendo o vídeo muitas e muitas vezes, que eu sei até a memória (do momento). Dá pra perceber que são mais de sete pessoas ali, mas até então não tinha nada naquele momento (antes do acontecido)”, explicou.

Por fim, Lorrana, que é natural da Bahia, mas mora há 13 anos na Itália, parabenizou o trabalho das autoridades da capital baiana. “Eu estou muito satisfeita pelo trabalho da polícia, como eu já falei muitas vezes, eu acreditei que isso iria acontecer (a prisão do suspeito), mas não tão rápido. Eu ainda estou sem palavras, mas o trabalho deles comigo foi impecável”, concluiu a jovem.

exclamção leia também