27º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

AGORA VAI? - 08/08/2023, 18:03 - Da Redação e Agência Brasil- Atualizado em 08/08/2023, 18:53

Novos ‘X9s’ podem gerar reconvocação de Mauro Cid na CPMI

Cerca de R$ 60 mil teriam sido depositados pelo ex-assessor na conta de Michele Bolsonaro

Cerca de R$ 60 mil teriam sido depositados pelo ex-assessor na conta de Michele Bolsonaro
Cerca de R$ 60 mil teriam sido depositados pelo ex-assessor na conta de Michele Bolsonaro |  Foto: Lula Marques/Agência Brasil

Os atos golpistas cometidos no dia 8 de janeiro deste ano estão em avaliação pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPIM). Uma das medidas futuras que podem ser efetivadas envolve a reconvocação do tenente-coronel do Exército Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Na abertura da sessão realizada nesta terça-feira (8), o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) questionou o presidente da CPMI, Arthur Maia (União-BA), sobre a chance de reconvocar Cid em virtude das denúncias vazadas à imprensa. A princípio, a denúncia compreende a realização de depósitos avaliados em R$ 60 mil, durante 11 dias, na conta da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Maia respondeu que se compromete a colocar em votação, na próxima sessão, o requerimento para reconvocar Mauro Cid. O presidente da CPMI ponderou, porém, que não vê relação direta entre a denúncia de venda de pedras preciosas e os atos golpistas. “Eu não enxergo relação causal entre pedras preciosas e o ato de 8 de janeiro”, disse, acrescentando que a comissão não foi criada para investigar atos de corrupção.

Leia Mais

CPI analisa Imposto de Renda de Bolsonaro; Veja valores

Atos golpistas: Bolsonaristas recebem ‘baqueada’ da PGR

Anderson Torres depõe com silêncio garantido por Xandão

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou que faz parte do escopo da investigação apurar quem financiou os atos golpistas. “Se tem dinheiro vivo circulando nas mãos de quem tinha uma minuta do golpe em seu celular, a outra ponta que recebe não vai ser investigada? Só a CPMI vai poder separar, depois de olhar e depois investigar, se tinha ou não relação com o processo antidemocrático brasileiro. Não podemos dizer, a priori, que não tem relação”.

Feghali pediu que a comissão aprove o acesso à movimentação financeira do ex-presidente Jair Bolsonaro e da ex-primeira-dama. No requerimento apresentado à CPMI, a deputada fluminense cita as mensagens trocadas entre Cid, outros militares e servidores que revelariam, segundo ela, “seu envolvimento no caso da tentativa de apropriação de joias milionárias da Arábia Saudita”.

As informações chegaram à CPMI por meio do compartilhamento de informações de investigações em curso, que envolvem o ex-ajudante de ordens da Presidência da República. “A reconvocação do Sr. Mauro Cid se justifica pois, diante da necessidade de esclarecer seu possível envolvimento com os grupos que financiaram a trama golpista”, opinou Feghali.

Mauro Cid tem sido alvo de uma série de denúncias vazadas à imprensa a partir de dados disponibilizados à CMPI. As informações indicariam que ele teria negociado a venda de joias e presentes recebidos pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, quando ele ainda era presidente. Segundo a legislação vigente, presentes recebidos por chefe de Estado devem ser incorporados ao patrimônio público.

A reportagem está procurando as defesas de Mauro Cid e Michelle Bolsonaro para comentar as acusações e aguarda retorno.

exclamção leia também