29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Esporte

É treta! - 27/11/2022, 09:32 - Cássio Moreira- Atualizado em 27/11/2022, 10:02

Técnico do Irã se revolta com fala de ídolo alemão: "Preconceituoso"

Carlos Queiroz não gostou dos comentários feitos por Klismann

Técnico do Irã não leva desaforo para casa
Técnico do Irã não leva desaforo para casa |  Foto: Divulgação/AFP

O técnico da seleção iraniana, Carlos Queiroz, e o treinador alemão e ex-jogador Jurgen Klismann tretaram feio nos últimos dias. O 'parangolé' teve início após Klismann criticar o comandante português na vitória do Irã contra País de Gales, pela segunda rodada do Grupo B da Copa do Mundo.

O alemão afirmou à BBC que os jogadores iranianos pressionaram o juiz da partida porque é um hábito cultural do país. Além disso, o ex-atleta disse que Queiroz encaixa no Irã por ter comportamento parecido.

"Faz parte da cultura deles, da forma como jogam. O Carlos encaixa muito bem nesta seleção nacional e na sua cultura. Não é uma coincidência. É tudo de propósito. Faz parte da cultura deles, é assim que jogam. Eles pressionam o árbitro. Basta ver o banco, a forma como saltavam em cima do assistente e do quarto árbitro. Há muita coisa que não se vê. Esta é a cultura deles, eles meio que tiram o foco. Fazem com que você perca a concentração e isso é algo importante. E aí te tiram do jogo", disparou.

Ao rebater o comentário, Queiroz acusou o alemão, ex-treinador dos Estados Unidos, de agir de forma preconceituosa. "Caro Jurgen, você tomou a iniciativa de me chamar de Carlos, então acredito que seja apropriado chamá-lo de Jurgen. Certo? Mesmo não me conhecendo pessoalmente, você questiona meu caráter com um típico julgamento preconceituoso de superioridade. Não importa o quanto eu possa respeitar o que você fez dentro do campo, essas observações sobre a cultura iraniana, a seleção iraniana e meus jogadores são uma vergonha para o futebol. Ninguém pode ferir nossa integridade se não estiver no nosso nível, é claro. Mesmo assim, gostaríamos de convidá-lo a vir ao nosso acampamento da seleção nacional, conviver com os jogadores do Irã e aprender com eles sobre o país, o povo do Irã, os poetas e a arte, a álgebra, toda a tradição milenar cultura persa. E também ouvir de nossos jogadores o quanto eles amam e respeitam o futebol", iniciou o treinador, que ainda ligou o fato de Klismann já ter treinado os Estados Unidos, próximo adversário do Irã, com as críticas.

Leia mais

Irã bate País de Gales no fim e ainda sonha com classificação na Copa

"Como americano/alemão, entendemos seu não-apoio. Sem problemas. E apesar de seus comentários ultrajantes na BBC tentando minar nossos esforços, sacrifícios e habilidades, prometemos que não faremos nenhum julgamento sobre sua cultura, raízes e antecedentes e que você sempre será bem-vindo à nossa Família. Ao mesmo tempo, queremos apenas acompanhar com toda a atenção qual será a decisão da Fifa em relação à sua posição como membro do Grupo de Estudos Técnicos da Copa do Mundo Qatar 2022. Porque, obviamente, esperamos que você se demita antes de visitar nosso acampamento", pontuou.

exclamção leia também