30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

Deu cadeia - 21/12/2022, 16:18 - Pedro Moraes

Ex-presidas da Câmara de Ilhéus recebem mais de 20 anos de prisão

Lukas Pinheiro Paiva e Tarcísio Santos da Paixão foram julgados culpados por vários crimes

Lukas Pinheiro Paiva e Tarcísio Santos da Paixão foram julgados culpados por vários crimes
Lukas Pinheiro Paiva e Tarcísio Santos da Paixão foram julgados culpados por vários crimes |  Foto: Divulgação

Dois ex-presidentes da Câmara Municipal de Ilhéus, Lukas Pinheiro Paiva e Tarcísio Santos da Paixão, foram condenados a 23 anos de prisão devido aos crimes de organização criminosa, corrupção passiva, falsidade ideológica, peculato e fraude em licitação, de acordo com informações publicadas, nesta terça-feira, 20, pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA).

As decisões foram proferidas nos últimos dias 18 e 19, acatando denúncias oferecidas pelo Ministério Público estadual em junho de 2019, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e da 8ª Promotoria de Justiça de Ilhéus, como desdobramento da ‘Operação Xavier’.

Os acusados teriam presidido na Casa Legislativa, conforme o MP-Ba, respectivamente, nos biênios 2017/2018 e 2015/2016. De um lad,o Lukas Paiva está detido desde março de 2020, enquanto Tarcísio Paixão desde miao de 2019. Outros nomes foram condenados pelos mesmos crimes, como:

  • Os vereadores James Costa e Valmir Freitas do Nascimento, (7 e 10 anos respectivamente);
  • Ângelo Souza dos Santos, chefe de Gabinete de Tarcísio Paixão (7 anos);
  • Joilson Santos Sá, chefe da controladoria interna da Câmara na gestão de Lukas Paiva (3 anos e seis meses);
  • Cleomir Primo Santana, contador da empresa SCM Contabilidade (6 anos e sete meses);
  • Leandro da Silva Santos, assessor da empresa Licitar (14 anos e nove meses);
  • Ariell Firmo da Silva Batista, controlador interno da gestão Tarcísio Paixão (11 anos);
  • Aedo Laranjeira de Santana, contador da SM Contabilidade, apontado com coordenador das operações fraudulentas da empresa (17 anos e três meses);
  • Rodrigo Alves dos Santos, tesoureiro da Casa Legislativa na gestão Lukas Paiva e o servidor público Paulo Eduardo Leal Nascimento.

Leia Mais

'Pai' do Auxílio Brasil, João Roma vota contra PEC da Transição

Em publicação no Twitter, Lula lamenta morte de Pedro Paulo Rangel

Policiais militares só observam depredação em Brasília

Operação do MP

As denúncias do MP apontaram esquemas de fraudes em licitações e execuções contratuais da Câmara de Vereadores, com contratos superdimensionados em razão da prévia negociação e ajuste do pagamento de propinas.

Conforme o órgão estadual, as empresas Serviços de Consultoria Contábil (SCM) e Licitar Assessoria e Consultoria foram as principais envolvidas no esquema. As investigações revelaram que elas eram sempre contratadas diretamente, por meio de sucessivos e viciados procedimentos de inexigibilidade de licitação, para atuar em funções sensíveis da Câmara.

Segundo as denúncias do MP, a Licitar controlava os processos de contratação e a SCM assumia o controle dos processos de pagamento e da contabilidade em geral, sendo responsável pelas prestações de conta e, assim, pela “maquiagem contábil da totalidade dos esquemas de desvios praticados por todas as gestões investigadas”.

Mais de R$ 350 mil foram desviados somente nos anos de 2015 e 2016 e o esquema foi mantido em 2017 e 2018.

exclamção leia também