30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Foi coisa, viu? - 30/12/2023, 06:30 - Cássio Moreira

Retrô MASSA!: veja o que rolou na política baiana em 2023

Jerônimo assumiu o governo baiano e Bruno Kings tocou o terceiro ano de gestão

Ano ficou marcado por mudanças no cenário político baiano
Ano ficou marcado por mudanças no cenário político baiano |  Foto: Uendel Galter/Ag. A TARDE/Rafaela Araújo/Ag. A TARDE/Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ano de 2023 foi marcado por muito auê na política baiana. Novo governador na Bahia, novos deputados na Assembleia Legislativa (Alba) e mais um ano da gestão Bruno Kings (União Brasil) na capital. O Portal MASSA! fez um apanhado 'batenu tenu' de tudo que rolou ao longo dos 12 meses.

Governo do Estado

A Bahia ganhou um novo governador. No dia 1º de janeiro de 2023, poucas horas antes do presida Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assumir o Palácio do Planalto, o governador Jerônimo Rodrigues (PT), com as benção de 4.480.464 eleitores baianos, tomou o comando do Palácio de Ondina, em cerimônia na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba).

No secretariado, Jero equilibrou entre a manutenção de quadros como Luiz Caetano (Serin), Manoel Vitório (Fazenda) e Maurício Bacelar (Turismo), e a chegada de novos nomes como Marcelo Werner (Segurança Pública), Afonso Florence (Casa Civil), Bruno Monteiro (Cultura), Tum (Agricultura) e Osni Cardoso (Desenvolvimento Rural).

Leia mais

Jerônimo Rodrigues toma posse como governador da Bahia

Urgente! Carlos Muniz anuncia apoio total a Bruno Kings em 2024

Chegada da BYD na Bahia deve fornecer mais de 10 mil novos 'trampos'

Marcelo Werner pinta na Alba pra conversar com deputados

Urgente! Câmara aprova 'dindin do bom' pro buzu em Salvador

O combate ao crime organizado, sob o comando de Marcelo Werner, também foi destaque no primeiro ano. O secretário chegou a se reunir por horas com deputados estaduais da base e da oposição para apresentar números e medidas da pasta para bater de frente com a bandidagem.

Além disso, a gestão avançou no debate para a implantação das câmeras nos uniformes dos policiais militares, que deve sair do papel em 2024.

A relação com a Alba, tida como crucial para o governo correr tranquilo, rolou sem nenhum B.O cabuloso. Nos primeiros dias de gestão, Jero abocanhou Vitor Azevedo e Raimundinho da JR, ambos do PL de Jair Bolsonaro, além de atrair o apoio do Solidariedade e Podemos, partidos que caminharam com ACM Neto (União Brasil) em 2022. O governador ainda conseguiu assegurar uma parceria com os deputados do PP, sigla que havia deixado o arco de alianças no ano anterior.

A robusta bancada governista foi essencial para aprovação de projetos de reestruturação, reajustes de categorias específicas de servidores, empréstimos que chegam na casa dos R$ bilhões, e da Lei Orçamentária Anual (LOA) do próximo ano.

Na gestão, Jerônimo escolheu o Bahia Sem Fome como a cara do primeiro ano de governo. No começo, o programa ocorreu como uma campanha solidária para a arrecadação de alimentos. No segundo semestre, o petista enviou um Projeto de Lei para a Alba e conseguiu, por unanimidade, transformar a iniciativa em uma política de Estado.

Negócio da China

Jero também apostou todas as fichas na relação com os chineses. Assim, o governador petista meteu o pé para o país asiático em abril para tocar as conversas e garantir a chegada da montadora de carros elétricos BYD para a cidade de Camaçari, que durante anos abrigou a fábrica da Ford. O ato foi selado oficialmente em um evento com a presença dos bacanas da empresa.

Também parte da parceria Bahia-China, a obra da ponte Salvador Itaparica ganhou data para começar: segundo Jero, em declaração recente à imprensa, as primeiras sondagens devem acontecer a partir do dia 8 de janeiro de 2024. O processo será iniciado em águas rasas.

O governador ainda anunciou a licitação para a construção do VLT do Subúrbio, após o distrato com a Skyrail, primeira responsável pela construção do modal, além de entregar obras de grande porte, como a estação de metrô em Campinas.

Prefs de Salvador

O prefeito de Salvador, Bruno Kings (União Brasil), tocou o terceiro ano da sua gestão sem grandes sustos. Assim como o governador, o prefs conta com uma maioria absoluta na Câmara Municipal, o que foi importante para aprovar projetos para a cidade sem dor de cabeça.

A relação de Bruno com a Câmara ajudou o prefeito a aprovar projetos importantes, como o subsídio de R$ 190 milhões para as concessionárias que administram os buzus da capital baiana, já em novembro. O prefs ainda anunciou o reajuste da passagem de R$ 4,90 para R$ 5,20, garantindo que o valor não será alterado em 2024.

Bruno ainda conseguiu aprovar o orçamento da cidade para o próximo ano, além da criação do Conselho Municipal de Segurança, nas últimas sessões de 2023.

Apesar de evitar discutir as eleições municipais de 2024, Bruno já é dado como certo como candidato à reeleição. Sua atual vice, Ana Paula Matos (PDT), também deve vencer a concorrência e se manter no posto na chapa.

Bruno ainda assegurou um importante apoio, caso dispute a reeleição: o presidente da Câmara, Carlos Muniz, já anunciou que vai caminhar ao lado do prefeito no pleito do próximo ano.

"Eu tive que dar o apoio ao prefeito Bruno Reis, porque eu acho que é o melhor para a cidade", declarou Muniz na ocasião. A ida do presida da Câmara para o PSDB, partido da base de Bruno, foi vista como um sinal de que o apoio rolaria.

Além do PSDB de Muniz e do PDT de Ana Paula Matos, Bruno deve contar com apoio dos seguintes partidos para as eleições de 2024: Republicanos, PRD, PL, PP, Cidadania, PMN e DC.

Eleições 2024

Um pouco distante, a eleição municipal de Salvador já conseguiu ser pauta durante todo o ano de 2023. Além dos apoios declarados a Bruno, o grupo do governador Jerônimo Rodrigues (PT) também debateu o assunto para garantir uma unidade no bloco que governa o estado.

O Psol também se antecipou e lançou Kleber Rosa, candidato ao governo da Bahia em 2022, como postulante ao Palácio Thomé de Souza, tendo Dona Mira como vice. O Novo apresentou Luciana Buck como pré-candidata.

Princesinha problemática

O prefeito de Feira de Santana, Colbert Martins (MDB), encarou um ano turbulento, com denúncias, conflitos com categorias essenciais para a cidade e um possível risco de impeachment, medida pensada pela Câmara Municipal por diversas ocasiões.

Sem moral, o prefeito não deve liderar o processo eleitoral para a escolha do seu sucessor no próximo ano. A missão, se nada mudar, vai ficar no colo de Zé Ronaldo, que já comandou a cidade por quatro ocasiões, e que deve enfrentar novamente o deputado federal Zé Neto (PT), já anunciado como pré-candidato ao executivo.

TCM dos sonhos

O Tribunal de Contas dos Municípios também rendeu um bom rebuliço. A primeira cadeira aberta no ano foi alvo de uma disputa por partidos da base governista, mas acabou afunilando entre a ex-primeira-dama Aline Peixoto, esposa do cabeça da Casa Civil de Lula (PT), Rui Costa (PT), e o ex-deputado estadual Tom Araújo.

Aline venceu sem dificuldades e assumiu a cadeira de conselheira logo em seguida.

Para a segunda vaga aberta no ano, já em dezembro, nomes como Marcelo Nilo (Republicanos), Fabrício Falcão (PCdoB), Roberto Carlos (PV) e Paulo Rangel (PT) se apresentaram para a cadeira. A decisão só deve rolar em 2024, com a volta do recesso da Assembleia Legislativa (Alba).

Dendê na Esplanada

A Bahia também chegou com régua e compasso na Esplanada dos Ministérios. Após dois mandatos como governador da Bahia, Rui Correria foi parar no coração do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), assumindo o posto de ministro-chefe da Casa Civil.

Outra baiana ilustre que virou ministra foi a cantora Margareth Menezes. A artista assumiu o comando do Ministério da Cultura, recriado por Lula, no dia 1º de janeiro. A Lei Paulo Gustavo se tornou a grande marca do seu primeiro ano.

Vereadora da capital baiana, Maria Marighella também bateu no Planalto. A petista foi escolhida por 'Marga' para presidir a Fundação Nacional de Artes (Funarte).

Líder do Olodum, João Jorge também foi levado por Margareth Menezes para o governo Lula. Ele assumiu o posto de presidente da Fundação Palmares, que passou pela administração polêmica de Sérgio Camargo durante o governo Jair Bolsonaro (PL).

exclamção leia também