29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Caso Marielle Franco - 30/03/2024, 21:47 - Da Redação

Eduardo Paes admite que errou ao nomear Chiquinho Brazão

Secretário é apontado como um dos mandantes da morte da vereadora Marielle Franco

Chiquinho Brazão é suspeito de envolvimento na morte de Marielle Franco
Chiquinho Brazão é suspeito de envolvimento na morte de Marielle Franco |  Foto: Divulgação

A prisão do deputado federal Chiquinho Brazão, suspeito de ser um dos mandantes da morte da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, em 2018, azedou de vez a aliança entre o prefeito Eduardo Paes (PSD) e o Republicanos.

Paes afirmou neste sábado (30), que foi um erro ter nomeado o deputado, atualmente sem partido, como secretário especial de Ação Comunitária, mesmo com a suspeita de envolvimento da família com a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, já levantada desde 2018.

A fala do prefeito sinaliza um rompimento com o Republicanos, sigla que indicou Chiquinho para o cargo. Nesta semana, ele exonerou aliados do deputado, o substituto indicado pelo partido e nomeou uma pessoa de seu próprio grupo político.

"Foi um erro da minha parte, na constituição da aliança, a gente colocar uma pessoa que tinha sido suspeita. Eu posso aqui ter todas as desculpas do mundo, os seis anos [de investigação sem conclusão], todo mundo já tinha sido acusado de tudo, mas errei", afirmou o prefeito, após participar da primeira viagem no corredor Transbrasil entre os terminais Deodoro e Gentileza.

Chiquinho e o irmão, Domingos, conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), foram presos sob suspeita de serem os mandantes da morte da vereadora. O deputado foi nomeado em outubro, apesar das suspeitas sobre o irmão desde 2018 de envolvimento de crime. De acordo com o prefeito, o nome foi indicado pelo Republicanos como parte da aliança da sua pré-candidatura de reeleição.

Chiquinho foi exonerado em fevereiro, uma semana após a divulgação sobre o acordo de delação premiada do ex-PM Ronnie Lessa, acusado de ser o executor do crime.

"Mais importante quando você erra é consertar o erro. Já tinha sido pedido que ele fosse retirado da secretaria, e aqui não quero fazer pré-julgamento, mas, diante das suspeitas e da prisão dele, eu pedi que fosse retirado da secretaria antes, quando começaram a surgir os boatos", disse o prefeito.

Em seu lugar, o Republicanos indicou a nomeação do deputado federal Ricardo Abrão, do mesmo grupo político dos Brazão. Ele manteve 15 nomeados por Brazão no cargo, segundo levantamento do vereador Pedro Duarte (Novo).

Após a prisão de Brazão, o prefeito exonerou aliados do deputado, bem como o secretário substituto. Em seu lugar, indicou Marli Peçanha, que estava no cargo desde o início de seu mandato até a nomeação de Chiquinho.

Diante do rompimento, o Republicanos articula uma aliança para apoiar o deputado federal Alexandre Ramagem (PL), indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro na disputa e investigado por envolvimento em espionagem de adversários envolvendo a Agência Brasileira de intelkigência (Abin).

exclamção leia também