30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

deu ruim - 24/03/2024, 17:53 - Agencia Brasil

Delegado preso por envolvimento no caso Marielle perde trampo

Rivaldo Barbosa trabalhava na Universidade Estácio de Sá como professor de direito

Ex-chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro foi preso neste domingo (24)
Ex-chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro foi preso neste domingo (24) |  Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A Universidade Estácio de Sá desligou de seu quadro o delegado Rivaldo Barbosa, que era professor de direito desde 2003 e coordenador adjunto do curso desde 2022, segundo seu perfil na rede social LinkedIn.

O ex-chefe de Polícia Civil do Rio de Janeiro foi preso neste domingo (24) por suspeita de envolvimento no planejamento do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em 2018.

"A instituição informa que o professor não faz mais parte de seus quadros, e que já foram tomadas todas as medidas necessárias para sua substituição e para a continuidade das aulas. Reforçamos que nossa atuação é sempre pautada por princípios de ética, correção e não-violência e que a direção da unidade está sempre à disposição dos alunos para qualquer necessidade", disse a universidade por meio de nota.

Leia mais:

Xii! Xandão de Moraes tira sigilo de prisões ligadas ao caso Marielle

Caso Marille: "Importante passo", vibra Jero sobre prisão de trio

“Estamos mais perto da Justiça”, declara Anielle Franco sobre Marielle

Rivaldo Barbosa foi nomeado chefe da Polícia Civil pela Intervenção Militar na Segurança Pública do Rio de Janeiro, em 2018, e assumiu o posto na véspera do crime de que é acusado de envolvimento.

Em entrevista à imprensa um dia após o assassinato, Barbosa disse diante da família de Marielle Franco que a polícia adotaria todas as medidas "possíveis e impossíveis" para dar uma resposta ao assassinato.

"Estamos diante de um caso extremamente grave e que atenta contra a dignidade da pessoa humana e contra a democracia", chegou a afirmar ele, que foi preso com os irmãos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão, que são acusados de encomendar o crime.

exclamção leia também