30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

Cantora gospel - 20/12/2023, 12:55 - Da Redação

Bomba! Real motivação do crime de Sara Freitas é revelada

Denúncia oferecida pelo Ministério Público da Bahia foi enviada ao Tribunal de Justiça

Sara e Ederlan eram casados
Sara e Ederlan eram casados |  Foto: Montagem Portal MASSA!/Reprodução/Instagram

A cantora gospel Sara Freitas não foi morta por ciúmes, de acordo com denúncia oferecida pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), enviada ao Tribunal de Justiça (TJ) e divulgada nesta quarta-feira (20).

Segundo o MP-BA, o crime, cometido no dia 24 de outubro, por Weslen Pablo Correia de Jesus, conhecido como bispo Zadoque; Gideão Duarte de Lima e Victor Gabriel Oliveira Neves, a mando de Ederlan Mariano, tinha o objetivo de “se apoderar da imagem pública de Sara Mariano, fazendo uso de toda a estrutura já montada em torno dela, para lançar a carreira de Victor, com o que todos lucrariam futuramente”.

O MP estadual denunciou o quarteto pelo crime de feminicídio da cantora, cometido por motivo torpe, meio cruel e sem possibilidade de defesa da vítima, além de ocultação de cadáver e associação criminosa. A Justiça recebeu a denúncia na terça (19), e acatou o pedido de prisão preventiva feito pela Polícia Civil com parecer favorável do MP. Os quatro já estavam presos de forma temporária.

Leia também

Sara Mariano foi morta no mesmo dia em que desapareceu, diz advogado

Bispo tinha relação de ‘parceria’ com Sara Mariano; confira imagens

Sara era casada com Ederlan, que também gerenciava sua carreira. No dia do crime, a cantora foi informada de que faria uma apresentação musical num evento evangélico. Ela foi levada por Gideão, que era seu motorista, para a BA-093, onde Victor e Zadoque esperavam a vítima. Ela foi morta e teve o corpo abandonado num terreno baldio, às margens da rodovia. Ederlan, “para dissimular sua participação no crime”, chegou a procurar a polícia e registrar o desaparecimento de sua esposa, relatou o MP.

Com base nas informações e provas contidas nos autos, a denúncia afirma que Ederlan seria o principal interessado e mentor da morte de sua esposa, “tendo planejado e controlado as ações dos demais denunciados”.

As investigações revelaram que Ederlan havia pago R$ 2 mil para Zadoque, Victor e Gideão, e repassaria ainda cerca de R$ 15 mil, quando as economias de Sara fossem encontradas. De acordo com a denúncia, havia também a promessa de recompensa, “que seria o sucesso e fama artística, pois os denunciados eram pregadores, produtores, cantores e músicos com intensa penetração nas redes sociais” e contavam com a promessa de Ederlan de disponibilizar as ferramentas digitais de seu estúdio para promoções das carreiras artísticas dos executores da morte de Sara.

exclamção leia também