22º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

Em buscado do sustento! - 19/12/2022, 13:32 - Vinicius Viana - Atualizado em 19/12/2022, 14:18

“A gente quer trabalhar”, desabafa ambulante sobre Festival da Virada

Vendedora denunciou que vagas para o credenciamento de ambulantes no Festival Virada Salvador foram preenchidas em minutos

Credencimanento é feito exclusivamente de forma online
Credencimanento é feito exclusivamente de forma online |  Foto: Denisse Salazar /Ag. A TARDE

Antes mesmo de o galo cantar, dezenas de vendedores ambulantes saíram de suas casas na madrugada desta segunda-feira (19) e foram para a porta da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), em Salvador, onde formaram uma grande fila na esperança de conseguir o credenciamento para vender alimentos e bebidas durante o Festival da Virada Salvador, porém se frustraram ao chegar no local.

Na tentativa de fazer o credenciamento de forma presencial para o primeiro festival após o início da pandemia da Covid-19, os ambulantes se depararam com a notícia de que a inscrição seria realizada apenas de forma virtual e que eles deveriam voltar para as suas casas.

Em entrevista ao Portal Massa!, pais e mães de famílias foram enfáticos ao dizer que ao invés da prefeitura de Salvador facilitar o credenciamento para eles trabalharem de forma digna, complicaram a vida ao fazer a retirada da inscrição presencial.

Na expectativa de garantir o pão na mesa dos próximos dias com as vendas no festival, a vendedora ambulante Maria Luciana, de 46 anos, contou que saiu da periferia de Nova Brasília para o Jardim Santo Inácio, bairro onde está localizado a sede da Semop, ainda de madrugada. Extremamente revoltada e com vontade de trabalhar, ela demonstrou indignação com a forma como os ambulantes são tratados todos os anos pela Prefeitura de Salvador.

Imagem ilustrativa da imagem “A gente quer trabalhar”, desabafa ambulante sobre Festival da Virada
Foto: Denisse Salazar /Ag. A TARDE

“Todo ano é a mesma coisa. Já passamos por poucas e boas na pandemia e agora, que podemos vender, estamos enfrentando essa situação. É revoltante! A gente quer trabalhar”, desabafou Maria, que trabalha como ambulante há mais de 18 anos.

A vendedora ainda pontuou que os ambulantes pedem que o credenciamento também seja feito de forma presencial.

“Tem uma colega aqui de idade que não sabe mexer na internet e por isso ela está aqui. O credenciamento online também não funciona, e digo isso porque minha filha tentou fazer a minha inscrição, mas com 15 minutos da abertura o site não funcionava e informava que não existia mais vagas”, relatou.

Outro colega de Maria, o vendedor ambulante Roberto Pereira, de 68 anos, desabafou sobre a dificuldade que a categoria está encontrando para trabalhar no Festival da Virada Salvador e questionou o tratamento que a prefeitura de Salvador está dando aos pais e mães de família que querem conquistar o pão de cada dia de forma digna.

“Não estamos conseguindo fazer o credenciamento [online]. Gostaria de saber o porquê eles agem dessa forma com as pessoas mais humildes?”, desabafou o idoso.

Por meio de nota, a Secretaria de Ordem Pública de Salvador (Semop) informou que as 600 vagas disponibilizadas pela internet foram encerradas na segunda (19).

Por fim, o órgão municipal deu uma versão diferente dos vendedores ambulantes e disse que “não houve qualquer tipo de queda no site, apenas uma lentidão devido ao grande número de acessos à página, fato que não prejudicou o processo de inscrição".

exclamção leia também