30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Viver Bem

Saúde - 22/12/2022, 07:10 - Mariana Brasil*- Atualizado em 22/12/2022, 08:36

Entidades Filantrópicas de saúde da Bahia encerram ano com déficit

Com cortes financeiros e dificuldade de pagar contas , serviços prestados por instituições estão em risco

OSID encerrará o ano com déficit de R$30 milhões
OSID encerrará o ano com déficit de R$30 milhões |  Foto: Ascom/OSID

Com cortes financeiros, serviços prestados por instituições como as Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) e pelos hospitais Martagão Gesteira e Aristides Maltez estão em risco. Sofrendo com o subfinanciamento, as organizações filantrópicas reforçam o apelo para doações neste final de ano. “98% das entidades filantrópicas estão subfinanciadas e com defasagem e desequilíbrio contratual em mais de 70%”, estima Dora Nunes, presidente da Federação das Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas do Estado Bahia (FESF-BA).

A federação, que engloba instituições de referência como o Hospital Santo Antônio, Hospital Português, Hospital Martagão Gesteira e Santa Casa da Bahia aponta um padrão de carência entre as unidades. “Estão todas as entidades extremamente desesperadas”, completa.

“Por enquanto, estamos mantendo todos os serviços prestados no seu quantitativo e qualitativo, mas se perdurar esse cenário tão deficitário, será inevitável a redução dos serviços e fechamento de alguns leitos”, revela o gestor administrativo e financeiro da Osid, Milton Carvalho.

Vivendo a pior crise financeira da sua história, a instituição que abriga um dos maiores complexos do Brasil com atendimento 100% gratuito, deve fechar o ano de 2022 com um déficit operacional de mais de R$ 30 milhões, sendo R$ 20 milhões negativos do atual exercício, somados ao déficit acumulado de 2021, de R$ 11 milhões.

A entidade fundada por Santa Dulce dos Pobres, que acolhe quase 3 milhões de pessoas por ano, já enfrenta um risco real de descontinuidade dos serviços prestados. O déficit operacional é resultado do subfinanciamento do SUS, cujo contrato não é reajustado há 5 anos.

O cenário foi agravado com o enfrentamento da pandemia de Covid-19 e com o avanço da inflação nos preços dos insumos, como material hospitalar e medicamentos, em mais de 10% em 2021 e de 6% deste ano. O gestor informou ainda que possíveis reduções nos serviços devem ser estudadas. “A preocupação é grande, porque o déficit representa um volume muito elevado, de modo que estamos com dificuldades em fechar as contas deste ano”, afirma Milton Carvalho.

O déficit é compartilhado por demais instituições, como é o caso do Hospital Martagão Gesteira, maior hospital exclusivamente pediátrico do Norte e Nordeste. Com um déficit mensal de cerca de R$ 800 mil. De acordo com o hospital, nos últimos cinco anos, tem ocorrido uma defasagem da tabela SUS. O Martagão Gesteira informou que tem se mantido, em grande parte, por causa das doações e parcerias.

De acordo com o hospital, já houve o fechamento de 10 leitos de UTI, no início do segundo semestre de 2022. A unidade atende, por ano, a mais de 80 mil crianças e adolescentes de todo o estado. São realizados mais de 500 mil atendimentos nas mais de 28 especialidades médicas oferecidas.

Em sua campanha de final de ano, cujo mote é “Esperança, é o que temos para hoje”, a instituição pede que os baianos doem e integrem a fazer parte da rede de “Amigos do Martagão”, doadores regulares que ajudam mensalmente com diferentes valores. “Precisamos arrecadar recursos para tentar cobrir o déficit mensal de R$ 700 mil”, afirma o superintendente geral da Liga Álvaro Bahia, Carlos Emanuel Melo.

“As doações são o que fecha a nossa conta. Uma queda nas doações é levar a gente a uma condição difícil”, relata Washington Couto, diretor do Aristides Maltez. “Nós estamos, em termos de doação, ainda em queda. Houve uma queda substancial no período da pandemia e hoje a gente está numa situação melhor, mas a gente não conseguiu voltar à situação de 2019, em termos de doação”, relembra.

O diretor explica que a maior preocupação tem sido o aumento do valor da anestesiologia. “Isso vai atingir, principalmente as cirurgias. O Hospital Aristides Maltez é o que mais opera cirurgias oncológicas pelo SUS no país”, diz. A unidade realiza cerca de 950 cirurgias por mês, movimento diário de 3500 pessoas, sendo o único Centro de Alta complexidade em Oncologia (Cacon) da Bahia, com 255 leitos, sendo 20 de UTI e 18 de oncopediatria. O hospital realiza mais de 4 milhões de procedimentos e cerca 170 mil consultas por ano.

COMO DOAR

Obras Sociais Irmã Dulce (Osid)

É possível doar, a partir de R$ 10, através do PIX [email protected]. Quem tiver interesse pode se cadastrar também no programa Sócio-Protetor, doando mensalmente à instituição da Mãe dos Pobres. Mais informações sobre como ajudar a OSID podem ser obtidas através do telefone (71) 3316-8899, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h30; ou através do site www.irmadulce.org.br/doeagora.

Hospital Aristides Maltez

Pix, cartão de débito, crédito e outras formas de pagamentos podem ser encontradas no site www.aristidesmaltez.org.br/doacoes Chave pix: CNPJ: 15180961000100 Razão Social: Liga Bahiana Contra o Câncer.

Hospital Martagão Gesteira

As doações podem ser feitas via Pix (por meio da chave [email protected]) ou pelo site martagaogesteira.com.br. É possível, ainda, se tornar um “Amigo do Martagão” e passar a ajudar mensalmente o hospital. Mais informações por meio dos telefones: (71) 3032-3773 / 981462315 (whatsapp).

*Sob a supervisão da editora Meire Oliveira

exclamção leia também