27º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Serviços

programa ecologico - 05/05/2023, 21:29 - Bruno Dias

Programa de repovoamento dos manguezais é atualizado pela Bahia Pesca

O programa reintroduziu uma quantidade 37,6 milhões de megalopas ao longo de 16 anos de trabalho

Trabalho re repovoamento teve inicio em 2008
Trabalho re repovoamento teve inicio em 2008 |  Foto: Foto divulgação

A Bahia Pesca finalizou a terceira fase do seu projeto de repovoamento de manguezais, nesta quinta-feira (4), após realizar atividades de preservação e educação ambiental ao longo da semana.

Em colaboração com o Instituto GIA, o Puçá (Programa Integrado de Manejo e Gerenciamento do Caranguejo-Uçá) foi estabelecido para reintroduzir megalopas nos manguezais de Santo Amaro (Acupe), Ilhéus, Salvador (Ilha dos Frades), Camamu e Esplanada. Com 16 anos de trabalho contínuo, o programa já reintroduziu impressionantes 37,6 milhões de megalopas.

Todas as megalopas produzidas pela Bahia Pesca são introduzidas no mesmo manguezal de onde foram retiradas as fêmeas que as geraram, evitando assim levar qualquer tipo de elemento exógeno àquele ambiente.

Este ano, o programa inovou com a larvicultura do guaiamum, uma espécie de caranguejo maior que o uçá, azulada, e sem pelos nas patas, que, segundo o ICM-Bio, está ameaçada de extinção. Foram introduzidos 220 mil megalopas desta espécie no manguezal de Acupe, nas proximidades da sede da Fazenda Oruabo, unidade produtiva da Bahia Pesca especializada em maricultura.

Estudantes do Colégio Santa Rita, vinculado à rede municipal de ensino de Santo Amaro, acompanharam as atividades participando de uma palestra e conhecendo de perto todas as etapas da produção dos “filhotes de caranguejo e guaiamum”, desde a desova das fêmeas até o momento em que as megalopas são reintroduzidas no meio ambiente.

“Eu aprendi na Bahia Pesca que a gente tem que preservar os mares, os rios, as águas dos mangues porque a maioria das pessoas daqui de Acupe vive da Pesca, se a gente poluir a rua, o mar a floresta vai voltar tudo pra gente, vai tudo pra dentro do mangue”, contou a aluna Maine Ribeiro da Silva, de 11 anos.

FUNGO

O trabalho de repovoamento começou a ser realizado pela Bahia Pesca em 2008 com o objetivo de recuperar parte da população da espécie Ucides Cordatus (caranguejo-uçá), que quase foi dizimada pela ação de um fungo causador de mortandade em larga escala em grande parte do litoral nordestino.

"Era uma espécie que já estava à beira da extinção quando começaram com esse trabalho. Graças a Deus nós não perdemos esse marisco", relembra o pescador Raimundo Jesus da Silva, de 66 anos.

A produção dos caranguejos em cativeiro começa com a captura de fêmeas ovadas (“grávidas”), que são alimentados na Fazenda Oruabo até a eclosão dos ovos. As larvas então são colocadas em tanques com temperatura e salinidade da água monitoradas. Alimentadas à base de microalgas e microcrustáceos, as larvas e vão se desenvolvendo até atingirem o estágio de megalopas, quando estão prontas para serem recolocados no meio ambiente.

Segundo o coordenador técnico da Fazenda Oruabo, José Jerônimo Souza Filho, a vantagem da larvicultura é que ela potencializa o trabalho de reprodução das espécies. Uma fêmea de caranguejo pode colocar até 350 mil ovos de uma vez, mas a expectativa é de que no máximo apenas dois ou três alcancem a idade adulta.

No laboratório, onde as etapas mais sensíveis são realizadas em um ambiente protegido e com alimentação adequada, a chance de sobrevivência sobe para 25%.

"É um trabalho importante, mas que vai depender de uma série de outros fatores para dar os frutos esperados. Por isso o repovoamento não basta, é preciso envolver nesse processo os estudantes da comunidade local. É preciso conscientizar a comunidade para a importância que ela tem nesse processo. A importância de respeitar a época do defeso; a importância de não poluir o manguezal”, pontua.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Para a técnica Eliane Hollunder, assim como o trabalho de larvicultura, a educação ambiental também tem um efeito multiplicador. “As crianças aprendem melhor o que a gente explica. E os adultos estão mais suscetíveis a ouvir mais o que as crianças ensinam do que os adultos”, argumenta.

Segundo o professor e pesquisador Monilson Moni, 41, o trabalho de educação ambiental representa uma evolução necessária das relações entre a Bahia Pesca e a comunidade de Acupe, onde ele nasceu e foi criado pelo pai pescador e pela mãe marisqueira.

“A Bahia Pesca era vista aqui dentro como uma empresa que chegou para ocupar o território para produzir camarão em larga escala. A partir do projeto de repovoamento do caranguejo, a comunidade passa a olhar para Bahia Pesca de forma diferente, de forma respeitosa, de entender que ela está no território para o avanço socioambiental da comunidade”, afirmou.

Ex-presidente da Associação Cultural Nego Fugido, uma das mais renomadas manifestações culturais de Acupe, Monilson estima que 95% da população local vive direta ou indiretamente da pesca, o que torna o mangue um importante ativo socioambiental para uma comunidade.

“Entendo que há um lugar nesse trabalho de educação que precisa avançar. O que precisa agora é a construção de uma consciência ambiental e política em torno da salvaguarda do mangue, porque quando se preserva o mangue está se salvaguardando as pessoas e a a cultura produzida neste território”, conclui.

exclamção leia também