29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

Justiça - 11/08/2023, 09:13 - Da Redação- Atualizado em 11/08/2023, 09:35

Polícia conclui que tiro que matou Hyara foi disparado pelo cunhado

Sogra da vítima é indiciada por homicídio culposo; caso foi encaminhado para o Poder Judiciário com o indiciamento de duas pessoas

Hyara Flor foi baleada dentro de casa no dia 6 de julho, em Guaratinga
Hyara Flor foi baleada dentro de casa no dia 6 de julho, em Guaratinga |  Foto: Reprodução

A Polícia Civil da Bahia, por meio da Delegacia Territorial (DT), do município de Guaratinga, com o apoio da 23ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Eunápolis), concluiu o inquérito policial sobre a morte da adolescente Hyara Flor Santos Alves, ocorrida no início de julho deste ano. O caso foi concluído e encaminhado para o Poder Judiciário, na quinta-feira (10).

Leia também:

Caso Hyara Flor: Sogra pode carregar ‘culpa’ por combo de crimes

Caso Hyara: Criança de 9 anos disparou sem querer, conta pai do marido

A sogra de Hyara Flor foi indiciada por homicídio culposo e porte ilegal de arma de fogo, considerando que a pistola utilizada no crime pertencia a ela. O tio da vítima foi indiciado por disparo de arma de fogo, referente a tiros deflagrados contra a residência do casal de adolescentes. O adolescente, ex-companheiro da vítima, foi ouvido por meio de vídeo conferência pela juíza da comarca de Guaratinga. A sua permanência na internação socioeducativa ficará a cargo do Ministério Público e do Poder Judiciário.

A investigação do caso concluiu que o tiro que atingiu a vítima foi deflagrado pelo cunhado da adolescente, de nove anos, quando a criança e Hyara brincavam com a arma no quarto dela. No curso das apurações foram analisados laudos periciais, oitivas de 16 pessoas, entre elas, duas crianças que prestaram depoimento especial com a presença de promotor de Justiça da Promotoria da Infância e da Juventude do Ministério Público da Bahia. Também foram analisadas imagens de câmera de vigilância do endereço do fato, documentos e mensagens de celular e redes sociais, além de apurações em campo.

exclamção leia também