25º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

perigoso - 24/04/2024, 10:18 - Da Redação - Atualizado em 24/04/2024, 11:08

Polícia acaba com a graça de Palhaço, chefão do CV

Criminoso comandava ataques contra facções rivais

Palhaço comandava tráfico de drogas no bairro da Liberdade
Palhaço comandava tráfico de drogas no bairro da Liberdade |  Foto: Reprodução

O homem apontado como principal liderança da facção criminosa Comando Vermelho (CV) no bairro da Liberdade, em Salvador, morreu na manhã desta quarta-feira (24), durante à terceira fase da Operação Parietum, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e do Departamento Especializado de Investigações Criminais (DEIC).

De acordo com apurações do Grupo A TARDE, o suspeito foi identificado como Willer Oliveira Souza, conhecido como "Palhaço", foi localizado no município de Ilhéus, sul da Bahia.

O suspeito estava em um imóvel na localidade, quando foi surpreendido pelas equipes policiais e entrou em confronto. Palhaço ainda foi socorrido para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

Com ele, foram apreendidos uma espingarda calibre 12, celulares e uma caderneta contendo registros da movimentação e contabilidade da venda de drogas e armas.

Leia mais:

Traficas do Subúrbio Ferroviário são alvos de mandados judiciais

PM flagra 'lalau' tentando arrombar loja em Lauro de Freitas

Vídeo: helicóptero sobrevoa Paripe após dois moradores serem mortos

Palhaço era apontado pelas investigações como o principal organizador dos ataques contra membros da organização criminosa BDM, ocorridos no bairro da Liberdade, contando sempre com a participação de seus cúmplices, vulgos 'Queijo' e 'Suco', que permanecem foragidos.

Em um vídeo enviado ao Grupo A TARDE, o suspeito se exibe com arma e desafia a facção rival.

Ele estava sendo procurado com dois mandados de prisão em aberto, um por tráfico de drogas e outro por roubo qualificado, este último com condenação definitiva a uma pena de nove anos e oito meses em regime fechado.

exclamção leia também