26º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

TRAGÉDIA NA CITY - 01/04/2023, 12:02 - Alan Santana

Morre mulher trans queimada por ex-companheiro em Itabuna

Vítima chegou a ser transferida em uma UTI aérea para o Hospital Geral do Estado (HGE)

Morre mulher trans que teve corpo queimado durante conversa com ex-companheiro em Itabuna
Morre mulher trans que teve corpo queimado durante conversa com ex-companheiro em Itabuna |  Foto: Reprodução/TV Santa Cruz

A cabeleireira transexual Karla Santos foi assassinada aos 44 anos, na madrugada deste sábado (1°), em Itabuna, no Sul do Estado. A mulher teve seu corpo queimado durante uma conversa com seu ex-companheiro, principal suspeito do crime.

De acordo com a família da vítima, a causa da morte foi falência múltipla de órgãos. O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT), com previsão é de que seja liberado no domingo (2).

O ex-companheiro identificado como José Carlos foi preso em flagrante e teve a prisão convertida para a preventiva.

O ex-companheiro identificado como José Carlos principal suspeito
O ex-companheiro identificado como José Carlos principal suspeito | Foto: Reprodução/TV Santa Cruz

A mãe de Karla, Lucinéia Ferreira, contou que recebeu uma mensagem do suspeito nas redes sociais. Segundo ela, o homem disse que ficaria com a cabeleireira a qualquer custo.

"Ele mandou mensagem para mim dizendo: ‘eu amo sua filha, quero ficar com ela e ninguém vai me impedir’. Isso não é amor, é doença. Quem ama não mata, não bate, não espanca", revelou Lucinéia.

A vítima chegou a ser transferida em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea para o Hospital Geral do Estado (HGE), na capital baiana, mas não resistiu.

Entre idas e vindas, a vítima e o suspeito estavam juntos há cerca 20 anos. A mãe nunca foi a favor do relacionamento, que era marcado por agressões físicas e verbais. Certa vez, o suspeito chegou a esfaquear a mão de Karla e ela prestou queixa na delegacia, mas depois retirou.

"Ela pediu chorando para mim: ‘socorro mainha, me tire daqui’, dizia que tinha medo. Quando ele ligava ameaçando, coagindo, ela ia encontrá-lo porque ficava com medo dele fazer algo contra ela", contou a mãe da cabeleireira.

Karla e José Carlos estavam separados, mas mantinham contato. No dia do crime, ele foi até o hospital onde a vítima acompanhava o pai, que está internado, com a justificativa de que queria conversar com a cabeleireira. Foi durante a conversa que ele jogou álcool na vítima e depois ateou fogo.

exclamção leia também