31º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

Ato covarde? - 16/11/2022, 09:04 - Everton Santos

Estudante diz ter sido agredido por oito seguranças da Uefs

Um boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia Territorial (DT) de Feira de Santana

Um aluno que cursa o segundo semestre de biologia da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) afirma ter sido agredido com pontapés e socos por oito seguranças da instituição. A situação ocorreu depois de o estudante pular o muro do campus para usar a internet do local, com o objetivo de chamar um transporte por aplicativo.

De acordo com a Polícia Civil, o aluno contou que, na manhã de sábado (12), saiu de uma festa no Conjunto Feira 6, ao lado da Uefs, e queria entrar no campus da faculdade para poder usar a internet e pedir um transporte por aplicativo.

O estudante afirmou que chegou no portão lateral da Uefs e contou a situação para os seguranças. Ele informou o nome completo, disse que estudava na instituição e deu o número da matrícula, mas foi impedido de entrar no local.

A vítima afirma que os seguranças disseram que apenas estudantes residentes teriam acesso ao campus naquele horário. Foi após a negativa que ele tentou pular o muro da instituição, para não ficar na rua.

Ele afirma então ter sido imobilizado por um dos seguranças e outros oito o agrediram com os pontapés e socos. O aluno disse também que ouviu termos pejorativos e de cunho homofóbico.

Um boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia Territorial (DT) de Feira de Santana. O estudante realizou exames de corpo de delito. Existe a previsão de que ele seja ouvido pela Ouvidoria da Uefs na manhã desta quarta-feira (16).

Por meio de nota, a Uefs informou que repudia o ato de violência e que cabe a instituição iniciar os trâmites de apuração na esfera administrativa.

"Seja quais forem as condutas inadequadas ou crimes apontados após os devidos processos de investigação, não há o que se falar de impunidade, nem nada do gênero", afirmou a instituição.

exclamção leia também