31º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / segurança pública

REVIRAVOLTA - 06/09/2023, 19:11 - Da Redação

Caso Nardoni: Anna Carolina Jatobá pode parar no xilindró novamente

Ministério Público considera que teve ‘descontrole e agressividade’ por parte da madrasta

Ministério Público considera que teve ‘descontrole e agressividade’ por parte da madrasta
Ministério Público considera que teve ‘descontrole e agressividade’ por parte da madrasta |  Foto: Reprodução/TV Globo

A madrasta de Isabella Nardoni, Anna Carolina Jatobá apresentou “comportamento impulsivo e agressivo”. É o que analisa o Ministério Público de São Paulo (MP-SP). A mulher foi condenada pela morte da enteada, mas teve um pedido para retornar a cumprir pena em regime semiaberto, segundo informações divulgadas pelo portal g1.

Um recurso do MP-SP, referente a uma decisão de junho que a possibilitou cumprir o período em regime aberto, apresenta tais argumentos. O promotor Thiago Tavares Simoni Aily sinaliza, no recurso, que há "ausência de arrependimento e de comportamento impulsivo e agressividade" por parte de Jatobá. Além disso, ele reforça que "toda prudência é necessária para colocar-se uma pessoa periculosa de volta ao convívio social".

No mais, o promotor também aponta que avaliações e exames evidenciam "uma personalidade imatura, acompanhada por conflitos de natureza afetiva e descontrole dos impulsos, que provocam oscilações do humor”. Até então, o caso tramita em segredo de Justiça.

Leia Mais

Suzane von Richthofen escolhe nome de Isabella Nardoni para sua filha

Netflix produz documentário sobre o caso de Isabella Nardoni

'Assassinos soltos', desabafa mãe de Isabella Nardoni

Com isso, o pedido será analisado pela 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo. Jatobá estava detida desde 2008, na Penitenciária Feminina I Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, no interior paulista. Em seguida a soltura, ela passou a viver na casa do sogro na capital.


Durante o cumprimento da pena há 15 anos, a madrasta progrediu ao regime semiaberto em 2017. Por consequência, recebeu vários benefícios com as saídas temporárias. Acima de tudo, a acusada foi condenada a 26 anos e 8 meses de prisão, em regime inicial fechado, pela prática de homicídio qualificado por meio cruel contra pessoa menor de 14 anos.

exclamção leia também