30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Tragédia sem fim - 28/12/2023, 08:41 - Dara Medeiros

Toffoli nega pedido dos familiares das vítimas da Boate Kiiss; entenda

Ministro do STF recusou a solicitação de adiar o segundo julgamento do caso

Ministro Dias Toffoli negou o adiamento do segundo júri do caso Boate Kiss
Ministro Dias Toffoli negou o adiamento do segundo júri do caso Boate Kiss |  Foto: Rosinei Coutinho/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, negou o pedido do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) de suspender o novo júri popular dos quatro envolvidos na tragédia da Boate Kiss. A solicitação, que estava de acordo com o desejo da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria, foi recusada e o julgamento foi mantido para o dia 26 de fevereiro de 2024.

O motivo do MP-RS e dos familiares das vítimas pedirem a suspensão do júri popular seria evitar um novo sofrimento aos que perderam amigos e parentes na tragédia, além de aguardar o resultado do pedido de anulação do primeiro julgamento. Porém, Toffoli considerou que o STF não poderia atuar no caso e nem chegou a analisar o pedido liminar.

Entenda os desdobramentos do caso

A tragédia da Boate Kiss, em Santa Maria, matou 242 pessoas em janeiro de 2013. Quatro homens foram acusados como responsáveis pelo crime. Eles foram julgados mais de 8 anos depois, em dezembro de 2021.

Imagem ilustrativa da imagem Toffoli nega pedido dos familiares das vítimas da Boate Kiiss; entenda
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Na época, os réus Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann, sócios da boate, Marcelo de Jesus, vocalista da banda Gurizada Fandangueira, e Luciano Bonilha, auxiliar da banda, foram condenados e chegaram a ser presos, mas saíram de trás das grades em agosto do ano passado.

Eles foram soltos após desconfiança do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul de ter irregularidades no processo. A decisão foi mantida em setembro deste ano pela Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça.

exclamção leia também