26º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Na TV - 28/10/2022, 23:39 - Rafael tiago

No debate, Bolsonaro desconversa sobre gestão da Saúde em seu governo

Petista insistiu em perguntas sobre políticas públicas na Saúde e enfrentamento da Covid-19

Bolsonaro fugiu das perguntas sobre saúde
Bolsonaro fugiu das perguntas sobre saúde |  Foto: Reprodução Rede Globo

por João Guerra

No terceiro bloco do debate na noite desta sexta-feira (28), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) começou a rodada de perguntas tratando do tema da Saúde e a forma com que a gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL) tratou da pandemia com o Brasil sendo um dos países onde mais teve morte em consequência do coronavírus. “Por que negar a doença, esconder seu cartão de vacina, acabar com 33% de recursos da Farmácia Popular?".

Bolsonaro negou que tenha tirado recurso do Farmácia Popular. "O orçamento é feito entre o Executivo e o Legislativo. Não fica falando tanta mentira assim", apontou o presidente.

O petista insistiu no questionamento sobre o tratamento dado pela atual gestão no enfrentamento da Covid-19. "Quando ele foi comprar a vacina, São Paulo e vários países do mundo já estavam dando vacina. Montou um comitê de crise que orientava ele a negar a Covid. Ele fez pouco caso das pessoas morrendo por falta de oxigênio em Manaus".

Ao rebater escolha de Eduardo Pazuello para comandar o Ministério da Saúde, Bolsonaro defendeu o seu ex-ministro. "O general que você criticou foi o deputado mais votado no estado do Rio de Janeiro".

Ao seguir criticando as ações do atual governo na área da Saúde, o petista lembra a compra de viagras pelas Forças Armadas. "Explica por que comprar viagra já que o povo não tem nem fralda geriátrica, que você tirou?". Bolsonaro diz que medicamento é usado pelos militares para tratamento de doenças na próstata.

Segurança Pública

O presidente muda de assunto e trata da defesa do desarmamento feita pelo PT. Lula confirma que é contrário à política de armamento de Bolsonaro e diz que em seu governo distribuirá livros e não armas. "Ninguém compra arma para educar, para fazer o bem. As pessoas compram arma para matar", aponta Lula.

Bolsonaro se defende dizendo que, em seu governo, a taxa de homicídios diminuiu. "A violência comigo diminuiu bastante. No seu governo só subiu e aumentaram, em média, 30% os homicídios no Brasil".

Lula volta a citar proximidade do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) com o presidente e o tratamento dado a Jefferson no ataque a policiais federais no último fim de semana. O presidente, então, criticou o político do PTB por reagir à abordagem policial com tiros de fuzil e granadas no domingo (24). "Quem atira em policial é bandido", diz e relembra o escândalo do mensalão: "Teu amigo de roubalheira, Lula”, acusou o chefe do Executivo.

Lula então questiona Bolsonaro sobre a diminuição de recursos no combate à violência contra a mulher. "Por que você cortou praticamente toda a verba do programa que protege as mulheres da violência?". Bolsonaro replica dizendo que Bolsonaro diz que o feminicídio diminuiu durante o seu governo. "Tratei as mulheres com respeito".

Bahia no debate

Ao ser apontado as suspeitas de corrupção na sua gestão, Bolsonaro reagiu dizendo que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB) seria o coordenador da campanha de Lula no Bahia. “Como que as pessoas da Bahia ainda votam em você na Bahia¿”, questionou o presidente.

exclamção leia também