25º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Entrevista - 11/11/2022, 07:21 - Dante Nascimento

"Não sou de continuísmo, sou de continuidade”, diz Jerônimo Rodrigues

Governador eleito disse que vai imprimir sua própria marca administrativa, na base do diálogo e do trabalho

O governador eleito pelo PT, Jerônimo Rodrigues vistiou o jornal A Tarde
O governador eleito pelo PT, Jerônimo Rodrigues vistiou o jornal A Tarde |  Foto: Olga Leiria / Ag. A Tarde

Ao assumir o governo da Bahia no dia 1º de janeiro, Jerônimo Rodrigues terá o desafio de renovar as energias do PT, há 16 anos no comando do Estado, e fugir de um cansaço junto ao eleitor que, apesar de dado como certo por críticos e adversários, não se confirmou nas urnas. O sucesso do quinto mandato consecutivo do partido depende de inovação. Atento à missão política, o governador eleito faz questão de exibir independência em relação aos antecessores. “Eu não sou de continuísmo, sou de continuidade”.

Em entrevista exclusiva ao A TARDE, Jerônimo contou que, apesar do alinhamento às gestões de Jaques Wagner e Rui Costa, vai imprimir sua própria marca administrativa, na base do diálogo e do trabalho. A equipe já sabe que não terá vida fácil. “Se alguém dormia no governo cinco horas com Rui, vai dormir quatro agora”.

A necessidade de impulsionar a economia, qualificar a saúde e a educação e garantir segurança pública mais eficaz à população não impede o novo governador de se debruçar sobre as eleições municipais de 2024. O desejo é ampliar a presença da base da coligação no interior do estado e disputar pra valer Salvador. Mas enquanto 2022 não termina, Jerônimo se dedica à transição, segundo ele, fator determinante para o futuro da sua gestão.

O senhor esteve nos últimos dias em Brasília, onde se encontrou com políticos e autoridades. Também está envolvido diretamente na transição do governo da Bahia. Como estão sendo estas primeiras semanas como governador eleito? Deu tempo de comemorar?

O desafio foi muito gigante e a missão foi muito gigante. Um desafio grande substituir dois grandes bons governadores. O menino que sai do interior com dificuldade de estudos e chega no mais alto cargo da corte política do Estado. A gente está curtindo ainda o clima da vitória, mas me preocupa a gente poder fazer uma boa transição. A transição é o diagnóstico de quando o médico vai passar o remédio. Se fizer uma boa transição, tem tudo para poder fazer um bom governo. E essa preocupação é dupla, porque é uma transição da Bahia, que é minha, e outra transição que eu tenho que estar de olho, com os pés, com o coração, que é a transição do Lula. Nesses dias, nós temos feito reuniões, final de semana, à noite, tenho acompanhado Rui nessas agendas de entrega. É bom porque já me apresento, agradeço as pessoas, falo pouco, porque o governador é ele, mas eu deixo a mensagem de agradecimento, de gratidão. Eu vou querer fazer o melhor de mim.

O senhor ainda não confirmou titulares do novo governo, mas deixou claro que não abre mão de indicar pessoalmente nomes para secretarias mais estratégicas, como Saúde, Educação e Segurança Pública. Quais os critérios estão sendo usados nessa análise?

Eu pedi um prazo até dezembro, para eu poder saber como é que vai ser, ver qual o perfil. O perfil para o Turismo tem que ter esse perfil de profissional, de técnico, de político, de secretário, que não é só secretário, é equipe. Da mesma forma com áreas da Saúde, Assistência Social. Eu não estou dizendo que a Secretaria de Saúde ou de Educação eu que vou escolher. De repente pode ser que um partido tenha um bom nome. Mas não vem como cota partidária. Esse perfil é um perfil que eu pretendo confiar, como Rui fez comigo. Eu dava opinião, mudava as coisas. Eu confiando, mas acompanhando. Tem que ter pegada, compromisso, simplicidade e humildade.

Como o senhor pretende governar diante do quadro estabelecido pelas últimas gestões petistas no Estado? Há espaço para inovação?

Eu quero fazer inovações, porque se eu não fizer fica realmente um governo de continuísmo. Eu não sou de continuísmo, sou de continuidade. Eu vou continuar o sonho e o desejo de Wagner e de Rui, mas do meu jeito, com a minha mão, com a minha marca. Eu vou marcar as coisas com o meu jeito de tratar a política, de tratar os grupos políticos, de dialogar, de conversar, de escutar. Essa marca é minha. Eu lembro que quando o Rui foi eleito, disseram ‘vai ser repetição do Wagner’, ‘o Wagner que vai mandar’. E o Rui quieto. O Rui imprimiu um jeito próprio dele. O nosso opositor, o velho, dizia assim: ‘É um bom político, mas é um mau gestor’, sobre Wagner. E o Wagner no silêncio, com jeito, fez o que fez pela Bahia. Eu vou ouvir Wagner, vou ouvir Rui. Mas a decisão é minha. Sou eu o governador. O povo escolheu Jerônimo. Nada de vaidade. E a minha equipe vai saber disso. É pegada. Rui disse observar quem acorda cedo, quem dorme tarde. Se alguém dormia no governo cinco horas com Rui, vai dormir quatro agora.

A política de Segurança Pública do PT na Bahia foi alvo de muitos ataques por parte dos seus adversários durante as eleições. Ciente de que o combate à violência ganha cada vez mais importância para os baianos, quais medidas o senhor pretende adotar para oferecer maior segurança à população?

Eu tenho dito que o que Rui e Wagner fizeram pela Segurança Pública não foi menor. De investimento, de concurso, e valorização profissional, de estrutura. Ontem, por exemplo, nós entregamos uma delegacia, sede de companhias, viaturas, câmeras, sistema que é referência na América Latina de monitoramento, inteligência. Eu tenho que fazer mais disso. E disso eu tenho clareza. Aperfeiçoar câmeras nas viaturas, câmeras no fardamento, viaturas blindadas. Isso não é mais do mesmo. Isso é inovação. Mas no que diz respeito à ação concreta, eu fico muito contente que, além de a gente fazer nosso papel, o Lula já acenou, primeiro com o Estatuto do Desarmamento, que possa ser efetivamente praticado. Em quatro anos de governo do presidente que aí está, o Brasil triplicou a quantidade de armas na mão da sociedade, criando uma sociedade violenta. Como é que os Estados não têm forças para proteger as fronteiras? Então, entram armas e drogas sem um controle firme do Exército, da Aeronáutica e da Marinha, que é a força que a gente precisa para ajudar os Estados a terem uma política mais tranquila. E sobre os grupos criminosos, nós precisamos ter uma inteligência que previna, que se antecipe às ações deles. Nós vamos atuar forte, trazer para o meu gabinete, junto com o governo Lula, pra gente fazer uma política nacional de segurança pública.

O desemprego é um problema central no Brasil. Na Bahia, grandes obras como o Porto Sul e a ponte Salvador/Itaparica podem ajudar contribuir para geração de novas vagas de trabalho nos próximos anos?

As grandes obras não são para deixar marcas. Nós temos é que mexer na matriz econômica do estado, para gerar emprego, por exemplo. Estruturas de investimento que caibam em um modelo da matriz, para a gente não ficar na condição de exportador de matéria prima e importador de insumos. Na área da agropecuária isso é muito forte. A gente exporta algodão, mas poderia estar exportando produtos derivados do algodão. A gente exporta amêndoa de cacau, deve continuar, mas a gente poderia exportar chocolate. Agrega valor, melhora a performance da cadeia. Isso é um projeto que quero demarcar aqui, de fortalecer a capacidade de planejamento do estado, porque organiza os recursos. Quem planeja pode pensar a médio e longo prazo. Eu tenho quatros anos e preciso deixar uma marca de quem pensa nos próximos anos para garantir sustentabilidade.

A partir de agora, o novo governo da Bahia terá pela frente uma oposição com nova cara. Além de ACM Neto, pode ganhar destaque o papel de João Roma ao aglutinar uma base bolsonarista muito fiel. Como o senhor avalia esse cenário?

O modelo bolsonarista não é do Bolsonaro. É um bolsonarismo que ele ajudou muito a ser construído no Brasil, mas que não é só dele. Tem gente que se aproveitou do momento para construir essa concepção de dividir o Brasil, de ser violento, de não respeitar as políticas públicas, e não dialogar. Olhe o modelo de um governo desse que está aí. Quatro anos e nunca se reuniu, nunca sentou uma única vez com os prefeitos para discutir uma política. Nem na pandemia. É um modelo que não se constrói com consistência, com sustentabilidade, a política pública. Não é que eu não acredite, eu não concordo com esse modelo de governar. Nós temos que levantar uma oposição que tenha qualidade para o debate. Para dizer assim: ‘eu vou perder as eleições, mas o que vai ganhar pode fazer melhor do que eu’. Nós não encontramos isso. A oposição pode ter certeza que vai encontrar trabalho no Lula, e nós aqui na Bahia continuaremos a cuidar de gente.

O governador do Estado desempenha tradicionalmente um forte papel nas eleições municipais. Como o senhor pretende atuar em 2024? Ganhar a Prefeitura de Salvador é prioridade?

É claro que nós queremos que nosso projeto se estabeleça no município. Independentemente de qualquer coisa, nós queremos que Salvador seja bem tratada, como a Bahia é. Eu não estou falando aqui de partido ou de oposição. Mas Salvador precisa ser bem tratada. Por exemplo, o município precisa ter responsabilidade com a maternidade, atenção básica. Se não fosse o governo do estado, Salvador não estaria oferecendo educação ao Fundamental 2. São 70 mil alunos que estudam hoje em Salvador, no fundamental 2, porque o governo oferece. É de responsabilidade do município. Se abrir o site da Prefeitura, tem 6,5 mil ou 7 mil crianças querendo creche. E não tem creche.

E as pretensões no interior do Estado?

Vamos para Feira de Santana, cidade maltratada, desleixada, uma cidade daquela. A gente está querendo discutir é projeto de gestão. Nós queremos que os municípios tenham um perfil de gestão como fazemos com a Bahia. Aqui em Salvador, se for fazer um exercício, e tirar as coisas que o Governo do Estado fez aqui, fica uma cidade oca. Sem os viadutos, sem metrô, sem maternidade, sem escolas, sem encostas, sem hospitais. Nós vamos, sim, fazer um grande debate sobre as eleições de 2024, sem atrapalhar nossa gestão, respeitando a oposição, mas nós vamos disputar o projeto que ofereça aos municípios gestores com responsabilidades.

O Hospital do Subúrbio, em Salvador, foi eleito o quinto melhor hospital público do país, em um ranking que avaliou mais de 100 instituições. Investir em equipamentos deste tipo é um exemplo a ser seguido para a próxima gestão?

Quando a gente vê um prêmio, um reconhecimento desse, a Bahia se destacando nesse tipo de serviço, nos orgulha. A expectativa nossa é que essas ações sejam vistas com os olhos de quem é atendido, quem vai numa policlínica, e a gente viu isso na campanha, é um serviço espetacular. A gente não tem esse tipo de serviço no setor privado. Primeiro, o ambiente. É um ambiente bonito, porque hospital sempre é um ambiente feio, pesado. É um ambiente limpo [nas unidades de saúde do Estado], a gente sente a energia boa, que é o caso do Subúrbio. Não adianta chegar no local bonito, e não ser bem atendido. É o conjunto. E também o resultado disso: as pessoas são medicadas, são curadas, Eu tenho certeza que a gente vai ter outras premiações, não só na área de saúde.

Como o senhor recebeu a confirmação de que seria candidato ao governo da Bahia e como se sentiu quando as urnas confirmaram a sua vitória?

Eu tinha me preparado em casa, com minha família, pra ajudar na coordenação da campanha de Wagner. Quando botou o nome de Wagner, eu negociei em casa. ‘Olha, vou sumir de novo’. Vou botar camisa vermelha e vou pra campanha. Não sei o meu lugar, mas eu vou ajudar. Como fiz com as duas [eleições] dele e as duas de Rui. Quando trocou ali, ‘olha, não vai mais a Ferrari vermelha, vai a Ferrari azul, que é Otto’, eu disse, ‘Vou trocar a camisa, mas eu continuava na missão de poder ajudar a eleger Otto. Quando depois, ‘não é nem uma das Ferrari, é uma terceira Ferrari’, aí ficou entre eu, Caetano e Moema. Ali a ficha começou... agora, temos chance, estou no páreo. E depois quando decidiu pelo meu nome, aí a ficha começou a cair. Eu tive desejo de que meus pais estivessem vivos para poder me acompanhar, me dar opinião, poder dar bronca. Minha mãe dizia: ‘menino, não vá nessa não’. Ela dizia isso. Como minha irmã mais velha, que no começo ficou assim: ‘Jerônimo, cuidado…”. E hoje ela já liga abençoando. Então passa um filme, muito bacana poder ver a trajetória. Eu não trabalhei nesse último governo pra dizer ‘eu vou ser, quero ser o governador‘. Eu queria ajudar, ir pra algum lugar que pudesse ajudar. Eu me preparei para a vida, para ajudar as pessoas, para ser um bom filho, um bom amigo, um amigo fiel e um gestor bom.

exclamção leia também