31º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Vai dar ruim - 17/11/2023, 15:35 - Da Redação e Agência Brasil

Gilmar vota pra manter Zambelli ré por B.O com arma

Deputada federal correu pra cima e pra baixo com arma de fogo na mão

Zambelli se lascou em banda com posição de Gilmar
Zambelli se lascou em banda com posição de Gilmar |  Foto: Lula Marques/EBC

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, negou o recurso da deputada federal Carla Zambelli (PL) e manteve a parlamentar bolsonarista ré no processo sobre a perseguição a um homem, com arma de fogo em mão, em outubro de 2022.

Leia mais

Defesa diz que Zambelli caluniou repatriado de Gaza que posou com Lula

O caso aconteceu pouco antes do primeiro turno das eleições. A deputada foi denunciada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e constrangimento ilegal com emprego de arma de fogo.

Em agosto, a maioria dos ministros do Supremo aceitou denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a parlamentar. A defesa recorreu, insistindo, entre outros pontos, que a parlamentar, à época dos fatos, possuía autorização para o porte de arma de fogo, o que descaracterizaria o porte ilegal.

Mendes rebateu o argumento, afirmando que a “decisão de admissão da denúncia explicitou compreensão conforme a qual a existência do porte, nas circunstâncias fáticas narradas pela inicial, pode não afastar a existência do delito”.

A defesa também voltou a alegar não ter havido o crime de constrangimento ilegal, uma vez que a deputada teria somente se defendido após ser ameaçada, segundo os advogados. Mendes também rejeitou esse ponto do recurso, frisando que os detalhes do caso serão melhor esclarecidos com a continuidade das investigações.

O recurso de Zambelli é julgado pela Segunda Turma do Supremo no plenário virtual, em que os ministros têm um período para votar de forma remota. Até o momento, o relator, Gilmar Mendes, foi o único a votar. A sessão de julgamento dura até ás 23h59 de 24 de novembro.

exclamção leia também