28º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

POLÍTICA - 11/07/2023, 10:13 - Vinicius Rebouças

CPMI do 8 de Janeiro ouve Mauro Cid nesta terça

Ajudante de Bolsonaro é questionado sobre mensagens com teor golpista

Chegada de Mauro Cid à Câmara, em Brasília
Chegada de Mauro Cid à Câmara, em Brasília |  Foto: Reprodução/ TV Globo

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), presta depoimento nesta terça-feira (11) na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos criminosos de 8 de janeiro. A oitiva teve início às 9h e marca a retomada dos trabalhos do colegiado.

Como foi convocado, o militar do Exército foi obrigado a comparecer. No entanto, ele tem autorização da ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), para ficar em silêncio sobre fatos que possam incriminá-lo, seguindo a regra constitucional de que ninguém pode ser obrigado a produzir provas contra si próprio.

Braço direito de Bolsonaro na Presidência da República, Cid deverá ser questionado pelos integrantes da CPMI sobre o conteúdo com teor golpista encontrado no celular do militar, que foi apreendido pela PF.

Uma perícia recuperou no aparelho de Cid trocas de mensagens com outros militares, tratando de ações que configurariam um golpe de Estado. As mensagens foram reveladas pela imprensa e depois tornadas públicas pela Justiça. Um dos interlocutores, o coronel Jean Lawand Junior, já depôs à CPMI. Ele negou as alegações, mas teve sua versão contestada pelos parlamentares e pode ser indiciado por falso testemunho.

Prisão de Mauro Cid

Mauro Cid está preso desde 3 de maio, quando veio à tona um esquema para fraudar cartões de vacinação contra Covid-19 que tinha ele, a mulher, os filhos, Bolsonaro e outras pessoas como beneficiárias.

Desde então, Cid foi interrogado seis vezes pela Polícia Federal (PF), em mais de um inquérito, como o que investiga a destinação de jóias dadas pelo governo da Arábia Saudita que deveriam ser incorporadas ao patrimônio da União, mas acabaram no acervo pessoal de Jair Bolsonaro.

exclamção leia também