31º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Política

Sem palavras? - 31/10/2022, 11:09 - Rafael tiago

Bolsonaro já soma mais de 15 horas em silêncio após derrota nas urnas

Candidato do PL ainda não reconheceu a vitória de Lula, oficializada ainda no domingo à noite

Apesar disso, muitos aliados de Bolsonaro aceitaram publicamente a derrota
Apesar disso, muitos aliados de Bolsonaro aceitaram publicamente a derrota |  Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Mais de 15 horas depois de oficializada a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa presidencial, neste domingo (30), Bolsonaro ainda não se pronunciou para reconhecer a derrota e parabenizar o adversário, como manda a tradição republicana.

O silêncio se estende a todos os membros da família do presidente. Antes ativos nas redes sociais, os filhos e a primeira-dama não fizeram nenhuma publicação após as urnas revelarem prazo de validade do atual governo.

Apesar disso, muitos aliados de Bolsonaro aceitaram publicamente a derrota. Ainda no domingo à noite, o presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira (PP), fez um pronunciamento em que cumprimentou Lula.

"Ao presidente eleito, a Câmara dos Deputados lhe dá os parabéns e reafirma o compromisso com o Brasil, sempre com muito debate, diálogo e transparência. É preciso ouvir a voz de todos, mesmo divergentes, e trabalhar para atender as aspirações mais amplas", disse Lira.

Aliados

Pouco depois de encerrada a apuração, o ex-ministro de Bolsonaro, Tarcísio de Freitas (PL), que derrotou Fernando Haddad (PT) ao governo de São Paulo, também anunciou a jornalistas o desejo de ter uma boa relação com a nova administração federal.

"Tenho certeza que São Paulo pode ajudar muito o Brasil, e o Brasil, obviamente, pode também ajudar São Paulo. Então, esse entendimento nós vamos buscar. E a partir do momento que houver uma convocação estaremos lá e buscaremos sempre o que é melhor para o estado de São Paulo", destacou.

Outros aliados usaram as redes sociais. O ministro das Comunicações do governo federal, Fábio Faria, postou na sua conta no Twitter uma frase em tom de despedida.

"Você resgatou o nosso orgulho de ser brasileiro. Obrigado, Jair", escreveu.

Eleito senador pelo União Brasil, o ex-ministro Sérgio Moro, que se reaproximou de Bolsonaro na campanha eleitoral, tentou consolar os seguidores e se colocar como oposição ao novo governo.

"A democracia é assim. O resultado de uma eleição não pode superar o dever de responsabilidade que temos com o Brasil. Vamos trabalhar pela união dos que querem o bem do País. Estarei sempre do lado do que é certo! Estarei na oposição em 2023, respeitando a vontade dos paranaenses".

A deputada federal Carla Zambelli (PL), uma das mais radicais defensoras de Bolsonaro, escreveu nas redes sociais que será "a maior oposição que Lula jamais imaginou ter".

A senadora eleita Damares Alves (Republicanos), ex-ministra de Bolsonaro, também usou o Twitter para comunicar que seu grupo político perdeu a eleição, mas "o amor" pelo país.

"Bolsonaro deixará a presidência da República em janeiro de cabeça erguida, com a certeza do dever cumprido e amado por milhões de brasileiros", frisou.

exclamção leia também