25º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Mundo

Colecionando absurdos - 24/12/2022, 19:06 - AFP

Talibã proíbe mulheres de trabalhar para ONGs no Afeganistão

Dias após proibir o acesso de estudantes mulheres em universidades, governo ataca novamente

Mulheres afegãs são proibidas de estudar e trabalhar
Mulheres afegãs são proibidas de estudar e trabalhar |  Foto: Hoshang Hashimi/AFP

O governo Talibã do Afeganistão ordenou neste sábado (24) a todas as ONGs nacionais e internacionais que deixem de empregar mulheres porque não estariam respeitando o código de vestimenta, mesmo argumento utilizado há quatro dias para excluir as mulheres das universidades do país.

“Houve denúncias graves sobre o descumprimento do uso do hijab islâmico e outras regras e regulamentos relacionados ao trabalho feminino em organizações nacionais e internacionais”, afirma uma notificação enviada a todas as ONGs.

Um porta-voz do ministério da Economia confirmou o envio da ordem às ONGs." Em caso de descumprimento da diretriz (...) a licença da organização que foi emitida por este Ministério será cancelada", especifica a notificação.

Duas ONGs internacionais contatadas pela AFP confirmaram ter recebido o comunicado do Ministério. "A partir de domingo, suspendemos todas as nossas atividades", declarou, sob anonimato, o funcionário de uma organização internacional que organiza ações humanitárias em áreas remotas do país. "Em breve teremos uma reunião dos diretores de todas as ONGs para decidir como lidar com a questão", acrescentou.

O coordenador humanitário da ONU para o Afeganistão, Ramiz Alakbarov, denunciou em um tuíte uma "flagrante violação dos princípios humanitários". Esta decisão é "uma nova e deplorável tentativa de excluir as mulheres dos espaços político, social e econômico", denunciou a Anistia Internacional. Dezenas de ONGs nacionais e internacionais trabalham em vários setores em áreas remotas do Afeganistão, com várias mulheres como funcionárias.

O anúncio ocorre apenas quatro dias depois que o governo talibã decidiu proibir por tempo indeterminado as mulheres afegãs de frequentar universidades públicas e particulares no país. O ministro do Ensino Superior, Neda Mohammad Nadeem, explicou em uma entrevista televisiva que tomou esta decisão porque as "estudantes que iam para a universidade (...) não respeitaram as instruções do hijab".

Leia mais

Bolsonaro mete o pé para os States e não passa faixa para Lula

Argentina registra febre de tatuagens de Messi após tricampeonato

"O hijab é obrigatório no Islã", insistiu, referindo-se ao fato de que as mulheres no Afeganistão devem cobrir o rosto e o corpo inteiro. Segundo o ministro, as meninas que estudaram em uma província longe de casa "também não viajavam com um 'mahram', um acompanhante masculino adulto".

No sábado, quase 400 estudantes de Kandahar, berço do movimento islamita fundamentalista, boicotaram uma prova em solidariedade às alunas e organizaram uma manifestação, dispersada pelas forças talibãs, que atiraram para o alto, contou à AFP um professor da Universidade Mirwais Neeka. Manifestações masculinas são extremamente raras no Afeganistão.

O novo ataque aos direitos das mulheres prejudica muitas meninas afegãs, que já haviam sido excluídas do Ensino Médio, e provocou muitas críticas da comunidade internacional. Apesar das promessas de maior flexibilidade, os talibãs retomaram sua interpretação rigorosa do Islã, que marcou sua primeira passagem pelo poder, entre 1996 e 2001.

Desde sua volta ao poder em agosto de 2021, multiplicaram-se as medidas contra as liberdades, principalmente das mulheres, que foram progressivamente excluídas da vida pública e dos centros educacionais.

exclamção leia também