29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Mundo

Economia - 03/04/2024, 22:35 - Da Redação- Atualizado em 03/04/2024, 23:09

Governo Milei confirma demissão de 15 mil servidores na Argentina

Dispensa de funcionários é justificada como diminuição do tamanho do Estado

Dispensa de funcionários é justificada como diminuição do tamanho do Estado
Dispensa de funcionários é justificada como diminuição do tamanho do Estado |  Foto: JUAN MABROMATA / AFP

O governo de Javier Milei anunciou a demissão de 15 mil servidores públicos sob o argumento de reduzir o quadro da administração pública nacional. Diante do cenário, funcionários protestaram com manifestações e assembleias em frente a seus locais de trabalho nesta quarta-feira (3).

Segundo informações da AFP, a maioria das demissões foi notificada durante a Semana Santa, cujo feriado se estendeu até terça-feira na Argentina, informou a Associação de Trabalhadores do Estado (ATE), que convocou uma plenária urgente para definir ações.

"O número final de contratos que não foram renovados beira os 15.000, como parte do trabalho que estamos fazendo para reduzir os gastos do Estado", disse o porta-voz da Presidência, Manuel Adorni, durante coletiva de imprensa.

O presidente argentino Milei havia adiantado que planejava reduzir o quadro da administração pública nacional em 70.000 postos de trabalho de um total de pouco mais de 332.000, segundo o último relatório do Instituto de Estatísticas e Censos (INDEC), publicado em fevereiro.

Trabalhadores demitidos tentaram entrar nos locais de trabalho, onde foi montada uma forte operação policial para impedir seu acesso.

"Não temos outra alternativa além de resistir organizados e sustentar esta luta porque sabemos que isto é arbitrário", disse na assembleia improvisada Érica Almeida, delegada da ATE, no hall de acesso aos escritórios do Instituto Nacional contra a Discriminação.

Em meio a cartazes e cânticos, alguns enfrentaram a polícia na porta do Ministério do Trabalho."Javier Milei está se enganando, não está dispensando 'ñoquis' [termo usado popularmente para identificar quem não faz seu trabalho], mas trabalhadores que vêm trabalhar todos os dias e vivem de seu salário", disse à AFP Matías Reynoso, de 35 anos, funcionário do Ministério do Trabalho.

Na semana passada, Milei havia dito que o "plano era chegar ao déficit zero em 2024" e que estava "convencido a levar adiante um ajuste fiscal, que tem muito de motosserra e muito de liquidificador".

Milei usa esses dois termos para se referir aos cortes orçamentários, por um lado, e à liquidação dos gastos por outro, para conter uma inflação que beira os 280% ao ano, com uma queda vertiginosa do poder aquisitivo e do consumo.

A meta presidencial de déficit zero supera inclusive as exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI), com o qual a Argentina tem uma dívida de US$ 44 bilhões (R$ 223 bilhões, na cotação atual).

*Com informações da AFP

exclamção leia também