29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Esporte

Que ano, meus amigos! - 28/12/2023, 07:00 - Wiliam Falcão*

Retrospectiva 2023: Tricolor vai da expectativa ao alívio

Com Grupo City, Bahia almejava mais além do Baianão, mas no fim se salva

Bahia se salva da queda na Série A do Brasileirão na última rodada
Bahia se salva da queda na Série A do Brasileirão na última rodada |  Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

O início de 2023 foi, certamente, o que teve maior expectativa por parte da torcida do Bahia em relação às contratações e à possibilidade de ser protagonista na temporada do futebol brasileiro. Contudo, o final de ano passou longe de encher os olhos e de deixar o torcedor orgulhoso, já que o Tricolor atravessou ‘perrengues’ durante a maior parte do tempo. Um ano de milhões na folha de pagamento, mas de bastante decepção dentro das quatro linhas.

Logo de cara, para iniciar a era do ‘Bahia City’, sob o comando do Grupo City, o Esquadrão fez uma grande reformulação no elenco, que havia acabado de conquistar o acesso para a Série A do Brasileirão e contratou 19 atletas, além de uma nova comissão técnica, na primeira janela de transferências, visando iniciar o projeto no ‘ano zero’.

A aposta no técnico português Renato Paiva não deu certo, assim como na maioria dos contratados inicialmente, apesar do título do Campeonato Baiano conquistado em abril e da boa campanha na Copa do Brasil, onde chegou às quartas de final. A queda precoce na Copa do Nordeste, ainda na fase inicial, mostrou que o pior estava por vir.

Por isso, no segundo período de contratações, o Tricolor foi novamente ao mercado totalizando 25 reforços neste ano. Apesar de muita expectativa por parte da torcida por causa do forte poder financeiro do clube, o diretor de futebol Cadu Santoro manteve os pés no chão e alertou que a realidade seria totalmente diferente.

“Nosso primeiro objetivo, pelo nível da competição, é encontrar estabilidade. Passado esse momento, acho que sim, temos que buscar coisas maiores e ter como objetivo brigar por torneios internacionais”, afirmou o gestor em entrevista à TV Bahêa em abril.

Com o passar do tempo, o que se viu dentro de campo foi algo muito próximo ao que Cadu havia projetado, mas o que os tricolores não esperavam é que teriam sustos, choro e muita apreensão até a última rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo frustrada e não vivendo a realidade que queria, a torcida do Bahia, com a 4ª melhor média da elite, foi ‘o grande craque’ da temporada e lotou o estádio para apoiar a equipe do início ao fim. Foi diante da massa tricolor, que o Esquadrão viveu a noite mágica no dia 6 de dezembro, quando goleou o Atlético-MG por 4 a 1, viu o Santos tropeçar diante do Fortaleza, na Vila Belmiro, e respirou aliviado para, enfim, poder celebrar o dia do ‘fico’ na Série A do Campeonato Brasileiro.

Título baiano foi o único na temporada
Título baiano foi o único na temporada | Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Título estadual e eliminações

No Campeonato Baiano deste ano, o Bahia iniciou com uma sequência de triunfos, sofreu alguns acidentes no meio do caminho, mas conquistou a 50ª taça estadual. Já no Nordestão, o Tricolor foi só decepção e acabou eliminado na primeira fase pelo segundo ano seguido. Por fim, no primeiro trimestre, o Esquadrão até foi longe na Copa do Brasil, mas acabou eliminado para o Grêmio nas quartas de final.

Esquadrãozinho oscila bastante

O Esquadrãozinho começou até bem na Copinha e passou pela fase de grupos, mas foi eliminado após tomar 4 a 0 do Santos. Já no Baianinho sub-20, o Tricolor ficou com o troféu de campeão. Quem fez feio foi o sub-17, que ficou com a lanterna do Brasileiro e com o vice estadual. No Campeonato Brasileiro da categoria sub-20, o Bahia foi eliminado ainda na primeira fase e na Copa do Brasil caiu na semifinal.

Feminino leva taça, mas cai

No futebol feminino, o Bahia foi da decepção para a alegria. Depois de conquistar o acesso e retornar à elite nacional, as Mulheres de Aço foram rebaixadas novamente e vão jogar a Série A2 do Campeonato Brasileiro no próximo ano. Por outro lado, a mulherada tricolor fez bonito no Baianão, derrotou o Vitória na grande final e foi campeã invicta do torneio, mantendo assim a hegemonia do certame estadual.

Criticado, Paiva não resiste

O técnico Renato Paiva chegou para comandar o Esquadrão no início do ano, mas inventou demais nas escalações, não conseguiu dar um padrão ao time e sofreu derrotas humilhantes como a goleada de 6 a 0 para o Sport. Depois de um começo ruim no Brasileirão, onde esteve perto do Z-4 na maior parte do termpo, o mister sentiu a pressão da torcida, pediu as contas e pegou a pista sem deixar saudade.

Após demissão de Paiva, Rogério Ceni chega e salva Esquadrão
Após demissão de Paiva, Rogério Ceni chega e salva Esquadrão | Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

Ceni chega pra salvar de queda

Contratado para evitar o vexame de o Bahia ser rebaixado na Série A deste ano com um elenco milionário, Rogério Ceni chegou ao Tricolor mostrando serviço e logo engatou uma sequência de resultados positivos. A equipe até oscilou sob seu comando, perdeu alguns jogos e entrou no Z-4, mas conseguiu dar a volta por cima e escapar da queda. Agora, o ‘mito’ fará parte do planejamento para o próximo ano.

Ex-goleiro é o novo ‘presida’

O ano de 2023 também se encerrou com mais uma novidade fora de campo no Bahia. No último dia 2, o ex-goleiro Emerson Ferretti foi eleito como novo presidente da ‘Associação’ do Esporte Clube Bahia, o que se refere aos 10% que a SAF do Grupo City não adquiriu. O ex-atleta, que marcou carreira no clube, ganhou a eleição e vai substituir Guilherme Bellintani no próximo triênio (2024-2026).

*Sob a supervisão do editor Léo Santana

exclamção leia também