28º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Esporte

Saudades do tempo! - 19/03/2024, 16:58 - Vinicius Portugal - Atualizado em 19/03/2024, 18:00

Ex-jogadores relembram emoção de jogar Ba-Vi: "Ansiedade e entusiasmo"

Xavier, ex-Vitória, e Paulinho, ex-Bahia, preferem estar no campo do que assistindo

Ex-atletas contam como era estar dentro de campo no clássico
Ex-atletas contam como era estar dentro de campo no clássico |  Foto: Reprodução

Jogar um clássico é especial para qualquer atleta, ainda mais quando se trata de um Ba-Vi, que divide uma cidade inteira. Imagine para quem já teve a oportunidade de atuar em campo e agora tem que ser apenas espectador. Este é o 'drama' de alguns ex-atletas, como Anderson Xavier, ex-Vitória, e Paulinho, ex-Bahia, que já estiveram dentro das quatro linhas nos confrontos entre os gigantes do estado, mas agora têm que apenas assistir.

"Ainda me pego relembrando da sensação maravilhosa que era entrar para um clássico Ba-Vi, mistura de ansiedade, entusiasmo, vontade de sair vencedor e, modéstia à parte, tive êxito muitas das vezes, inclusive fazendo o gol do empate em 2 x 2 em 2005 no jogo de ida na Fonte Nova. Consequentemente nos deu o inédito e histórico tetracampeonato baiano invicto! Maravilhoso, para sempre na história do clube e no coração do torcedor", relembrou o ex-volante Xavier ao Portal MASSA!.

Para o meia, inclusive, a sensação de ser torcedor é pior do que a de estar jogando. "Admito que torcer dá mais nervosismo porque você não pode interferir nas ações do jogo, mas estar no estádio é uma delícia também, pena a violência que separa as torcidas", lembrou.

Já o ex-lateral-direito Paulinho, que atuou no Esquadrão entre 2002 e 2007, revelou que é muito difícil estar na condição de torcedor, gerando para ele uma grande ansiedade em torno dos jogos. "Pra todo e qualquer ex-atleta não é fácil ser espectador, ainda mais pra mim que já joguei muitos Ba-Vi e já tive oportunidade de fazer alguns gols", ressaltou.

Enquanto o torcedor fica com o lado passional, na maioria das vezes o jogador olha para o lado profissional e vê o clássico como uma oportunidade de crescer na carreira. "A expectativa de um atleta para um torcedor é totalmente diferente, porque para o atleta mexe com tudo, adrenalina, psicológico, ansiedade, estresse e para alguns o nervosismo", completou Paulinho.

Sem os antigos postulantes, Bahia e Vitória vão reviver esta emoção nesta quarta-feira (20), às 21h30, na Arena Fonte Nova, em clássico válido pela 6ª rodada da Copa do Nordeste.

exclamção leia também