26º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Esporte

Já é Copa do Mundo - 14/11/2022, 07:12 - Da Redação - Atualizado em 14/11/2022, 08:51

Brasil inicia caminhada rumo ao hexa nesta segunda (14)

Seleção comandada por Tite vai renova para o Qatar

Brasil começa fase de treinos em Turim
Brasil começa fase de treinos em Turim |  Foto: Lucas Figueiredo/Agência Brasil

Por Daniel Oliveira

Vinte anos após a conquista do penta, em 2002, começa nesta segunda-feira (14) a última etapa da preparação do Brasil para a Copa do Mundo do Qatar. O local exato é o Centro de Treinamento da Juventus, em Turim, na Itália, onde a Seleção Brasileira vai treinar durante uma semana antes de embarcar em busca do hexa no Qatar. A equipe da CBF e a comissão técnica estão, desde o final de semana, organizando a recepção dos jogadores, que começaram a chegar ontem a Turim.

A Copa do Mundo do Qatar, inevitavelmente, será um marco na trajetória do Brasil nessas competições. Se vencer, a Seleção conquista pela sexta vez a competição mais importante do futebol e se isola, novamente, na liderança do ranking com mais títulos em copas. A Itália e a Alemanha estão atualmente coladas, em segundo lugar, cada uma com quatro.

Por outro lado, se não for campeã, o futebol brasileiro voltará aos tempos mais difíceis de sua história: 24 anos sem levantar a taça da Copa do Mundo. Isso ocorreu no intermédio de 1970 a 1994.

Nesse período, o Brasil amargou derrotas dolorosas. A maior delas foi em 1982. Com toda a expectativa, a seleção comandada por Telê Santana, formada por Sócrates, Júnior, Falcão e Zico, considerada, por muitos, a melhor de todos os tempos, foi eliminada para a Itália por 3 a 2 já na segunda fase em uma espécie de quartas de finais da época.

Porém, na história, a repetição nunca ocorre da mesma maneira. Geralmente, há elementos comuns que podem até levar a resultados parecidos ou mesmo iguais, mas o percurso é sempre diferente, já que os participantes, aqueles que fazem a história, e o próprio contexto mudam. É preciso observar as condições em que cada situação se estabelece.

Quando se trata de Copa do Mundo, uma regularidade marca a história brasileira. Nas últimas décadas, as seleções mais criticadas pela torcida, às vezes com campanhas sofridas, aos trancos e barrancos nas eliminatórias, e grandes instabilidades e mudanças, são aquelas que tiveram maior sucesso.

Ao menos foi assim que ocorreu nas últimas duas conquistas, em 1994, quando a seleção não apresentava um futebol tão criativo e gerava muita desconfiança dos torcedores, e em 2002, por conta de uma pré-temporada conturbada.

Em 2002, por exemplo, Luiz Felipe Scolari tornou-se técnico apenas um ano antes do início da competição. Naquele ciclo, Vanderlei Luxemburgo e Emerson Leão já tinham comandado o Brasil. A equipe se classificou em terceiro lugar, no último jogo nas eliminatórias, com apenas três pontos a menos do que Uruguai e Colômbia, que ficaram de fora. A participação de Ronaldo, artilheiro da equipe, chegou a ser uma dúvida por conta das suas sucessivas lesões no joelho.

Renovação

Ao contrário de 1994 e 2002, a preparação da Seleção foi marcada pela tranquilidade e excelentes números. Até mesmo as altas expectativas sobre Neymar, a tal da "Neymardependência", frequentes nas análises da equipe nos últimos dois ciclos, colocando o foco no principal jogador do Brasil até então, estão relativamente dissipadas neste período pré-Copa.

Outros atletas ganharam destaque merecido pelas atuações nos seus clubes, a exemplo de Vinicius Júnior e Rodrygo, no Real Madrid, e Raphinha, atualmente no Barcelona. Sobre esse aspecto, Tite, na entrevista coletiva após convocação, falou sobre a renovação do grupo.

“Uma seleção depende dos seus grandes atletas. Ela depende do Antony, do Raphinha, do Alisson, do Neymar. Se não tivesse essa qualificação, não criaria uma expectativa maior. Talvez por essa nova geração, principalmente do meio para frente, tenha sido dado enfoques a outros atletas. De outros que estão aí aparecendo. A gente precisa de todos”, afirmou.

Nas eliminatórias, o Brasil fez grande campanha, 14 vitórias e 3 empates, terminou invicto e na liderança. Já no ano passado, conquistou o bi olímpico. No ciclo como um todo, o aproveitamento foi de 82%, com 38 vitórias, 9 empates e 3 derrotas.

Outro fator positivo é que o técnico Tite teve a oportunidade de ganhar mais experiência e fazer um trabalho de longo prazo com a equipe. Afinal, são seis anos a frente da Seleção. Assumiu em 2016, substituindo Dunga, dois anos antes da Copa do Mundo. Foi eliminado nas quartas de final pelo timaço da Bélgica que contava com a habilidade do trio De Bruyne, Hazard e Lukaku e o paredão do goleiro Courtois.

O técnico evita comparar a Seleção de 2018 com a atual. “Hoje é um processo inteiro de quatro anos. É injusto fazer a comparação (com 2018). É outra situação. Aqueles dois anos contam a favor. Agora, sim, chega com todo esse processo de trabalho muito mais tranquilo, muito mais em paz, muito mais confiante, por esses quatro anos de trabalho associados àqueles dois. Sim, ela chega mais forte, mais firme, mais consistente, para o mundial”, falou Tite.

De lá para cá, Tite mudou o jeito de jogar da Seleção, que atualmente tem uma característica mais ofensiva, com uma média de idade no ataque de 24 anos, além da maior parte do elenco renovado. Apenas 9 dos 26 jogadores convocados estiveram na Rússia em 2018.

No caso da Copa do Mundo do Qatar, a Seleção Brasileira continua entre as favoritas por conta do futebol que vem apresentando e pela campanha nas eliminatórias. O que resta saber é se, diferentes das duas últimas conquistas, esse histórico recente se traduzirá no tão esperado título. Que venha o hexa.

exclamção leia também