26º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Esporte

Revelação da Bahia - 04/03/2024, 06:00 - Pedro Carreiro*

Bodyboard na veia! Baiano Gabriel Braga reina no Mundial do Marrocos

Com direito a nota 10, brasileiro fatura 1ª etapa do Circuito e quer seguir brilhando

Surfista de Stella Maris conquistou o 1º lugar em etapa no Circuito Mundial de Bodyboard
Surfista de Stella Maris conquistou o 1º lugar em etapa no Circuito Mundial de Bodyboard |  Foto: IBC World Tour

Berço de grandes atletas de esportes aquáticos como Isaquias Queiroz (canoagem) e Ana Marcela Cunha (maratonas aquáticas), a Bahia revela mais um grande nome que gosta das águas: o bodyboarder Gabriel Braga. Soteropolitano de Stella Maris, o jovem ganhou os holofotes ao sagrar-se campeão da 1ª etapa do Circuito Mundial de Bodyboard 2024, disputada na Baía de Taghazout, em Agadir, no Marrocos, na última semana.

Com direito a uma nota 10 na última bateria, que foi a maior do evento e veio graças a dois ‘backflips’, Gabriel derrotou o canário Armide Soliveres na decisão e conquistou seu primeiro título no Circuito Mundial. A vitória, que foi a primeira do Brasil desde 2014, fez com que ele também assumisse o topo do ranking mundial.

“A ficha ainda está caindo. Nem em todos os meus sonhos eu imaginaria que fosse da forma que foi. Ainda estou digerindo tudo que aconteceu, mas muito feliz e emocionado. Só tenho a agradecer a Deus, minha família e amigos por não deixarem eu desistir no passado e agora todos os esforços estão sendo colhidos”, destacou o bodyboarder ao MASSA!.

Tendo largado à frente no Circuito Mundial, o baiano sonha alto e projeta trazer o título de volta para o Brasil. A última vez que a conquista ficou com um brasileiro foi em 2008, quando Uri Valadão, que também competiu no Marrocos e ficou com o 3º lugar, sagrou-se campeão.

“Agora com esse resultado, estou focado totalmente em trazer o título para o Brasil. Sei que não vai ser uma tarefa fácil, mas já falei com meu técnico Vinícius Alvim, vamos em busca desse título e treinar como nunca para trazer o título de volta após 16 anos”, projetou.

Apesar do talento, a conquista na Baía de Taghazaut só veio graças a muito trabalho. “No Brasil, o período que precedeu esse evento foi verão e não temos muitas ondas para treinar, porém estava fazendo um trabalho fora d’água para manter o condicionamento físico e mesmo sem onda estava treinando muito, chegando a fazer quatro treinos por dia entre treino físico e treino dentro d’água. Mas esse resultado é um trabalho de anos que venho fazendo”, explicou.

Gabriel mandou dois backflips na melhor onda e tirou nota 10
Gabriel mandou dois backflips na melhor onda e tirou nota 10 | Foto: IBC World Tour

Origem no esportes e dificuldades na jornada

Toda história tem um começo e a de Gabriel com o bodyboard vem desde a infância. “Comecei a pegar onda com 10 anos, em 2006, meu primo Alex que me apresentou ao surfe, mas foram meus amigos de Stella Maris que me fizeram entrar no bodyboard”, relembrou.

E, desde cedo a questão financeira foi um fantasma para as ambições do baiano no esporte. “Graças a Deus meus pais e minha família sempre me deram todo o suporte desde o início para buscar esse sonho. Mas também sempre busquei trabalhar para esse fardo não ficar todo para eles”, pontuou o jovem bodyboarder.

Agora, para seguir roubando a cena no cenário mundial, Gabriel tem uma lojinha de Açaí em Stella, além de contar com apoio de marcas, da Prefeitura e da Sudesb. “Em alguns momentos pensei em desistir por falta de apoio financeiro, pois em cada etapa do circuito gastamos muito e praticamente toda a premiação que ganhamos usamos para pagar os custos da viagem”, completou o surfista.

Braga foi o melhor nas águas da Baía de Taghazout
Braga foi o melhor nas águas da Baía de Taghazout | Foto: IBC World Tour

Sonhos para o futuro e ídolos na modalidade

Com os holofotes virados para si, Gabriel Braga tem como objetivo não só conquistar o título mundial, mas também se tornar atleta olímpico algum dia. “Ser campeão mundial e quem sabe um dia ser campeão olímpico. O bodyboard ainda não é um esporte olímpico, mas quando se tornar espero estar competindo ainda para poder buscar esse título”, projetou.

Para alcançar essas metas, ele conta com a amizade e apoio de outros brasileiros que já fizeram história no esporte. “‘Meus amigos são meus ídolos’. Essa frase nunca fez tanto sentido, me inspiro muito na dedicação e raça dos brasileiros Uri (Valadão), Eder (Luciano) e do nosso hexacampeão mundial Guilherme Tâmega. Já no estilo, meus grandes amigos Fábio Pinheiro e Bernardo Puertas”, revelou o bodyboarder o brasileiro.

*Sob a supervisão do editor Léo Santana

exclamção leia também