30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Entretenimento

VACILAÇÃO BANK! - 07/04/2023, 15:06 - Alan Santana

Com nome ‘sujo na praça’, Gusttavo Lima processa Banco Itaú

O sertanejo foi negativado por supostamente, ter deixado de pagar uma conta no valor de R$ 6.773,35

O sertanejo pegou ar, ao descobrir que está negativado
O sertanejo pegou ar, ao descobrir que está negativado |  Foto: Reprodução/Redes Sociais

O 'Embaixador', como é conhecido o cantor Gusttavo Lima, foi surpreendido ao receber, em fevereiro, um título de protesto por ter, supostamente, deixado de pagar uma conta no valor de R$ 6.773,35. A informação é di portal EM OFF, que teve acesso ao processo movido pela defesa do sertanejo.

O cantor fez uma consulta aos órgãos de proteção ao crédito e descobriu que seu CPF havia negativado junto ao SERASA devido ao débito. O valor apresentado na entidade era divergente do notificado na ocorrência.

Segundo a consulta no SERASA, o débito do Embaixador seria com uma empresa chamada 'TRG', porém, Gusttavo Lima afirmou que jamais teve qualquer negócio com ela. Assim, os advogados do artista entraram com uma ação, afirmando que a cobrança seria fraudulenta.

A defesa do cantor buscou contato com a empresa por meio de telefone, e-mail e internet, mas não obteve resposta de nenhum responsável. Assim, Gusttavo “passou a crer que se trata de uma tentativa de golpe (fraude), muito comum nos dias atuais”, afirmaram seus advogados no caso.

O Banco Itaú foi procurado para resolver a situação, mas sem êxito, afirmam os advogados. A defesa do sertanejo relata no processo que o representante da TRG “abriu conta corrente [no banco], passou a emitir boletos fraudulentos” e buscou “crédito junto à referida instituição financeira” ao explicar o suposto golpe.

Diante do conflito, o artista buscou na Justiça a anulação da cobrança do débito, a exclusão da negativação indevida junto aos órgãos SPC BRASIL e SERASA, que o banco e a empresa sejam proibidos em juízo a não fazer novas cobranças e a condenação de ambas ao pagamento de uma indenização de R$ 10 mil por danos morais.

Até o instante momento o Itaú não se pronunciou diante do caso.

exclamção leia também