30º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

QUEBRADA - 06/04/2023, 06:30 - Alan Rodrigues

Recuperação judicial do grupo Petrópolis causa apreensão

O pedido de recuperação judicial do grupo Petrópolis deixou apreensivos funcionários da empresa

Recuperação judicial do grupo Petrópolis causa apreensão
Recuperação judicial do grupo Petrópolis causa apreensão |  Foto: Divulgação

A notícia do pedido de recuperação judicial do grupo Petrópolis, ingressado no último dia 27 na justiça do Rio de Janeiro, deixou apreensivos funcionários da empresa que, só na Bahia, emprega 2,7 mil trabalhadores na fabricação e revenda.

A Prefeitura de Alagoinhas, onde está instalada uma fábrica do grupo responsável pela produção das cervejas Itaipava, Petra e Crystal, também buscou informações junto à empresa e trata o assunto com cautela.

“Não quero colocar o carro à frente dos bois”, disse o prefeito Joaquim Neto (PSD), que se reuniu nesta terça-feira, 4, com o gerente regional da empresa. Até o momento, segundo as informações colhidas pelo prefeito, a produção não foi alterada e os postos de trabalho (680, apenas na fábrica) estão mantidos.

FGTS

O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Bebidas (Sindibeb), no entanto, está atento à situação. Segundo o presidente, Alberto Santiago, a receita da empresa teve queda de 17%, o FGTS dos funcionários foi parcelado em 36 vezes e o pagamento do mês de março só foi possível graças à liberação de R$ 71 milhões em recursos da empresa junto ao banco Santander, após a justiça conceder tutela de urgência.

A categoria se reuniu na segunda, 3, e decidiu manter as atividades mediante a manutenção do pagamento quinzenal.

“Se passar dia 15 e não pagar até dia 17, dia 18 nós paramos a fábrica”, ameaça Santiago. O sindicalista explica que o pedido de recuperação de R$ 4,2 bilhões corresponde a cerca de 10% dos ativos do grupo Petrópolis, mas a empresa alega ausência de fluxo de caixa. Apesar disso, Alberto afirma que a planta de Alagoinhas ainda é o carro-chefe do grupo.

Informação corroborada pelo prefeito Joaquim Neto, que espera uma definição. “O que o município puder fazer em termos de incentivo para manter a fábrica nós vamos fazer”, diz o prefeito, que saiu otimista da reunião na sede da fábrica. “Os postos de trabalho estão mantidos, as fábricas da Bahia e Pernambuco não diminuíram a produção, o problema está localizado no Sudeste”.

exclamção leia também