28º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

oxente!? - 11/06/2024, 11:59 - Da Redação - Atualizado em 11/06/2024, 12:44

Mulher perde emprego após reclamar de figurinha no 'Zap'

Vítima denunciou o gerente do departamento de recursos humanos da empresa

Mulher foi demitida por reclamar de figurinha
Mulher foi demitida por reclamar de figurinha |  Foto: Reprodução | Whatsapp

Uma mulher denunciou ter sido demitida após reclamar de figurinhas enviadas através de uma conversa de WhatsApp. A imagem, de cunho pornográfico, teria sido enviada por um gerente do departamento de recursos humanos da empresa em que ela trabalhava.

O caso aconteceu na cidade de Santa Terezinha de Goiás, no norte do estado goiano. Segundo o relato da funcionária feito à Polícia Civil daquele estado, as figurinhas foram enviadas em abril deste ano.

A trabalhadora foi demitida na última quinta-feira (6). Ela alega que o gerente mandava mensagens para a funcionária a chamando de “princesa”, “meu amor”, “minha flor” ou “minha florzinha”, desde de 2023.

Ainda no registro da polícia, a funcionária afirma que, em abril deste ano, o gerente mandou mensagens com figurinhas de cunho sexual. Em seguida, a funcionária afirma que as investidas do gerente estavam a incomodando.

Leia mais:

Falastrões: povo brasileiro é o que mais envia áudio no 'Zap'

“Isso já está estressante, viu? Só para avisar”, diz ela, respondendo a uma das figurinhas enviada pelo suspeito. Ela ainda descreve mais importunações do gerente: “Eu dou a casa para você morar, se ela for para nós dois”.

De acordo com a polícia, no dia da demissão da funcionária, o gerente teria dito à ela que registraria uma ocorrência por difamação, já que teria sido relatado ao proprietário da empresa que o homem tinha esse tipo de comportamento com todas as trabalhadoras do local.

O nome da empresa e também a identidade do acusado não foram divulgadas pela polícia. Por se tratar de crime contra a dignidade sexual, a investigação corre em sigilo.

exclamção leia também