29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

Ação Civil - 04/04/2023, 12:04 - Vinicius Rebouças

Justiça determina ao Incra titulação de território quilombola na Bahia

Ação civil pública teve parecer favorável ao MPF

Titulação deve ser retomada em até 30 dias
Titulação deve ser retomada em até 30 dias |  Foto: Divulgação

A Justiça Federal baiana determinou em caráter de urgência o andamento da titulação dos do território da Comunidade Quilombola de Sambaíba, no município de Riacho de Santana, na região do Velho Chico. Com isso, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a União devem apresentar cronograma para a realização de todas as etapas pendentes até titulação do território em até 30 dias.

O parecer é favorável à ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) na Bahia. E determina ainda que no mesmo prazo de 30 dias, os órgãos também precisam definir a previsão orçamentária e os custos para o cumprimento da demarcação no prazo estabelecido no planejamento, o que deve ocorrer em até 36 meses.

Na ação o procurador da República Ramiro Rockenbach da Silva Matos, afirma que o processo administrativo para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação da propriedade definitiva das terras pelo Incra começou em 2005. No entanto, a autarquia “ainda não teria concluído sequer o processo de regularização fundiária daquela comunidade”, uma das primeiras etapas. A informação é de que o procedimento se encontra em fase de avaliação do imóvel rural inserido no território delimitado para fins de desapropriação.

No entender do MPF, a demora da “tramitação do processo administrativo de regularização fundiária no Incra ultrapassa em muito uma duração considerada razoável, acarretando sérios prejuízos do ponto de vista de manutenção de sua cultura e usos tradicionais”.

Ao julgar favorável, a Justiça sentenciou que: “o pedido abrange a concretização de direitos sociais básicos, notadamente relacionados à moradia e à proteção da cultura de uma comunidade histórica do país, não cabendo sua negativa sob a alegação de que os recursos do Poder Público seriam de tal forma escassos que inviabilizariam o deferimento”.

A ação civil pública pode ser consultada na Justiça Federal da Bahia a partir do número de protocolo 1008264-98.2022.4.01.3315.

exclamção leia também