28º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

Saúde - 06/05/2023, 10:11 - Amanda Souza- Atualizado em 06/05/2023, 10:55

Evento em Salvador debate a saúde mental das mães

Mães, pais e toda a sociedade foram convidados a discutir o adoecimento da mulher durante e após a maternidade

Saúde mental das mães é tema de simpósio
Saúde mental das mães é tema de simpósio |  Foto: Raphael Müller/ AG. A TARDE

Maio é o mês das mães e, por isso, nada mais justo que usar esse período para debater temas que impactam na vida das pessoas que gestam. Esse é o propósito do 2º Simpósio de Saúde Mental Materna.

O evento, que começou nesta sexta-feira (5), acontece no campus Pituaçu da Universidade Católica do Salvador (Ucsal) e termina neste sábado. A proposta é trazer à luz discussões da maternidade contemporânea e o impacto na saúde da mulher.

O simpósio é uma atividade que faz parte da campanha Maio Furta-Cor, que promove a conscientização quanto aos cuidados com a mãe após o nascimento de um bebê. A psicóloga Ana Brandino, representante da campanha na Bahia, ressalta a importância desse debate.

A programação conta com temas diversos como o burnout materno, impactos psicossociais da violência obstétrica, maternidade e adoção etc. Nesses contextos, os palestrantes levantam as razões pelas quais as mulheres em processo de maternar estão cada vez mais adoecidas.

“O sofrimento materno é invisível porque a maternidade é romantizada; não se pode sofrer porque teve um filho”, diz Ana. “Mas não é sobre os filhos, e sim sobre as oportunidades ruins que temos para exercer a maternidade. Não temos rede de apoio, não temos acesso à rede de saúde qualificada… nem todo profissional sabe o que é um puerpério”, explica a psicóloga.

O evento, que é promovido por alunos da universidade, pretende, portanto, levar esse assunto para as salas de aula com o objetivo de formar profissionais cada vez mais preparados para lidar com o universo da maternidade para além do parto e da saúde do bebê.

“Essa temática tem que chegar às academias para que os que hoje são alunos cheguem ao mercado de trabalho com esse conhecimento”, ressalta Ana.

Hamabilhe Garcia, também psicóloga, faz parte da comunicação da campanha Maio Furta-Cor e integrou a primeira mesa de debate do simpósio. Ela ressaltou o quanto é importante cuidar da mãe em todas as frentes, para além do consultório.

“Nem tudo se resolve com terapia; a terapia não vai dar uma creche, uma rede de apoio, não vai cuidar do bebê para a mãe descansar e nem ajudar ela durante a noite”, diz. “A gente precisa que outras coisas sejam feitas […] Não é porque tá ruim que a gente não quer ser mãe, o que a gente quer é ser acolhida, que as pessoas se importem”, destaca.

Além das palestras, o evento também tem um momento para a partilha de experiências da maternidade. “Não falamos mais apenas em família nuclear. A gente abraça as diferentes maternidades, estamos pensando na mãe solo, na mãe LGBT, na mãe indígena, na mãe de colo vazio, a mãe por adoção…”, aponta Ana.

As inscrições para a atividade já foram encerradas, mas os interessados podem buscar o Grupo Materna; havendo possibilidade, os organizadores ajustam um encaixe de vagas.

Somos 78 profissionais de diversas áreas e fazemos ações relativas à saúde mental na cidade e na região em algumas frentes, como capacitação profissional, ações sociais, luta por políticas públicas. Todo mundo engajado durante o ano todo.

Grupo Materna

Em Salvador, algumas mulheres também têm se levantado pela causa reunidas em um grupo. É o Grupo Materna, que também esteve à frente da realização do simpósio e do qual Ana Brandino é coordenadora.

“Hoje somos 78 profissionais de diversas áreas e fazemos ações relativas à saúde mental na cidade e na região em algumas frentes, como capacitação profissional, ações sociais, luta por políticas públicas. Todo mundo engajado durante o ano todo”, explica Ana.

exclamção leia também