29º Salvador, Bahia
previsao diaria
Facebook Instagram
WHATSAPP
Receba notícias no WhatsApp Entre no grupo do MASSA!
Home / Cidades

Coração bondoso - 25/12/2022, 13:12 - Amanda Souza

Baiano dá exemplo de amor e solidariedade em Salvador

Robson do Agogô está, há três anos, compartilhando o que pode e consegue com quem o procura em busca de ajuda e alimento

Robson conta que sua missão é uma promessa
Robson conta que sua missão é uma promessa |  Foto: Olga Leiria / Ag A Tarde

Estender a mão a quem precisa é o legado que Robson do Agogô escolheu deixar para o mundo. Responsável por muitas ações de caridade em Salvador desde o começo da pandemia, ele ajuda famílias que precisam do básico.

Natural de Cachoeira, no recôncavo baiano, Robson é forjado no candomblé e conta que tudo começou como uma promessa. “A minha missão é uma promessa. Eu não tive covid-19 e isso me fortaleceu a ajudar as pessoas”, disse. “Ogum e Iemanjá me mandaram seguir e nesse caminho já são três anos de solidariedade”, diz.

O trabalho que Robson desenvolve na cidade é “para que as pessoas tenham saúde, porque ofertar o gás e o alimento é ofertar saúde”, destaca. É pensando nisso que ele doa cestas básicas, botijões de gás e até mesmo móveis. “As pessoas batem aqui na minha porta e pedem, às vezes a gente fica sabendo de quem tá precisando e vai até essas pessoas, aqui na comunidade ou fora”, diz.

Robson é operador de máquinas e trabalha por turnos. Durante o dia, quando está livre, está sempre em mercados e depósitos de gás para comprar o que vai distribuir.

“No ano passado foram mais de 270 botijões distribuídos. Distribuí também kits churrasco, porque eu quero oferecer às pessoas o que eu consumo na minha casa. Se eu como bem, porque vou oferecer inferior? Essa é a minha busca diária”, conta.

Fazer o bem sem olhar a quem

Robson conta que, dentro da promessa que fez, ele tem um objetivo, mas ele vai muito além. “Minha intenção sempre foi ajudar pessoas do candomblé, que passam muita dificuldade, porque fazer o candomblé hoje é muito caro”, conta. “Mas cresceu muito, então minhas ações não escolhem raça, religião, bairro... eu ajudo a quem precisa”, destaca. Uma das suas ações ajudou um grupo de 20 mães evangélicas com botijões de gás. “Eu me sinto realizado ao sentir a gratidão das mães por ter o que dar aos filhos. Por isso, foco as ações em mulheres chefes de família”, diz.

exclamção leia também