Viver Bem

Qui, 09/01/2020 | Atualizado em: 09/01/2020 às 05h06


Viver Bem

Hábitos ruins só atrapalham

gabriel conceição*
A+ A-
almassa.com.br

A maioria das pessoas que trabalham com serviços repetitivos por cerca de oito horas diárias pode desenvolver hábitos prejudiciais à saúde, tanto na parte física quanto psicológica.

Em relação ao corpo, quem trabalha muito tempo sentado em frente a uma tela de computador pode desenvolver problemas por estar com uma postura incorreta, sentindo dores na coluna e nas pernas. Usar a tela com o brilho intenso e o fone de ouvido no volume alto pode causar dores de cabeça, problemas de visão e audição.

"Certos hábitos surgem sem a pessoa perceber e, quando se dão conta, essa rotina já prejudicou sua saúde. Diversos pacientes reclamam de dores nas costas alegando que é falta de exercícios, mas não é só isso, pois a postura como se senta é fundamental para esse fator", explicou o médico do trabalho Roberto Celestino.

"Trabalhar sentado cansa, mas, quando se está ereto e na postura correta, tudo melhora", garantiu o médico.

Outro hábito nada saudável está na alimentação. Quem trabalha muito tempo fora tem a tendência de comer mais besteiras, como doces e salgadinhos, o que pode desencadear a obesidade.

Há também a questão mental, que é uma das áreas mais afetadas por hábitos ruins. O trabalhador chega a passar mais tempo no trabalho que em casa. Um hábito comum, mas prejudicial, pois pode desencadear quadros de estresse, ansiedade, síndrome de Burnout etc.

"A maioria dos meus pacientes sofre com problemas mentais, seja por pressão de chefes ou a busca constante por resultados melhores, o que gera uma autocobrança enorme, desencadeando, infelizmente, uma queda no rendimento de trabalho, trazendo complicações. Isso gera uma bola de neve", contou Roberto Celestino.

"Ter uma rotina estressante e cheia de hábitos ruins contribui para o surgimento de doenças emocionais além de doenças físicas. Portanto, fique atento com os sintomas físicos e emocionais e não force sua barra. Para se ter um bom resultado no trabalho, o trabalhador deve estar apto em todos os aspectos", concluiu o médico do trabalho.

*Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos