Nas Ruas

Sáb, 30/11/2019 | Atualizado em: 30/11/2019 às 05h05


Nas Ruas

galera corre em busca de descontos

Thaís Seixas e Vinícius Ribeiro
A+ A-

A expectativa era grande para a abertura dos portões de um grande shopping de Salvador na manhã de ontem. Muito antes das 6h - horário previsto para o início das vendas -, centenas de clientes já se aglomeravam do lado de fora para não perder nem um minuto da Black Friday. No horário marcado, a correria tomou conta da entrada do estabelecimento, que já estava com cinco lojas de departamento funcionando. Quem entrou na frente já garantiu os produtos desejados: no topo da lista estão os eletrodomésticos, especialmente as TVs.

Este foi o caso do motoboy William Souza, de 35 anos, o primeiro do dia a comprar uma televisão de 50 polegadas por aquele precinho. "Cheguei cedo, por volta das 5h30, e consegui comprar o que estava à procura, esta TV, que estava mais cara em outros locais", comemorou.

A gerente de marketing do Shopping da Bahia, Mayara Diniz, já considera a Black Friday como uma data significativa para as vendas. "Acaba sendo uma sexta-feira em que a gente tem um fluxo no shopping superior a 30% de uma sexta normal", explica.

Mas nem tudo são flores, como denunciou o maître Loivo Pereira, que descobriu a 'armadilha' de uma loja durante a pesquisa de preços. "Estive aqui ontem fazendo pesquisa de geladeira. Passei numa loja e vi que o preço de R$ 1.799 estava interessante. Cheguei às 6h e, quando fui à loja, o preço estava mais alto, de R$ 1.899. Fiquei chateado, não comprei", reclamou.