Esporte

Sáb, 30/11/2019 | Atualizado em: 30/11/2019 às 05h05


Esporte

é hora de triunfar no adeus

Everton Santos*
A+ A-

Sem maiores pretensões na Série B do Brasileirão, o Vitória entra em campo hoje, diante do Coritiba, às 16h30, no Barradão, apenas para cumprir tabela.

Para o duelo, o técnico Geninho não poderá contar com a dupla de volantes titulares formada por Léo Gomes e Lucas Cândido, ambos suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Com isso, Baraka e Romisson devem iniciar a partida. Já o atacante Jordy Caicedo, ainda com problemas no púbis, também é desfalque certo para o confronto diante do Coxa.

De olho em fechar a temporada numa boa, o Leão encerrou os preparativos ontem para encarar o time paranaense. O treinamento foi leve e contou com um recreativo, além de Geninho comandar uma atividade tática para ajustar o posicionamento e trabalhar a bola parada, tanto na parte defensiva, quanto ofensiva.

Para o comandante rubro-negro, o fato de atuar sem pressão deverá ser algo positivo para a postura do time na partida. "Vamos jogar sem a 'faca no pescoço'. Jogar precisando do resultado seria uma pressão muito ruim. Mas vamos jogar com mais tranquilidade. Eu espero que isso faça com que o time jogue mais solto, renda mais, jogue um futebol mais bonito e entre mais atento", afirmou.

Após um ano difícil e encerrando a temporada em casa, o treinador vê na partida uma boa oportunidade para terminar 2019 de bem com a torcida. "Vamos tentar fazer um bom jogo. Premiar a toricda com uma vitória em casa na última partida. Fecharia de uma maneira muito positiva", completou Geninho.

Se o Leão não almeja mais nada na Série B, o mesmo não pode se dizer do Coritiba. Com 63 pontos e na terceira colocação da competição, a equipe comandada por Jorginho vem a Salvador precisando conquistar um ponto para garantir o acesso à primeira divisão. Por isso, o comandante alviverde ainda criticou o presidente Paulo Carneiro que afirmou nesta semana que os jogadores do Vitória deveriam aceitar 'mala branca' vinda de Atlético-GO ou América-MG.

"Não queria nem falar do presidente, porque respeito muito, mas acho que foi uma declaração infeliz. Isso não poderia de forma nenhuma ser exposto a uma situação dessa. Lamentável isso acontecer. Tanto os nossos jogadores quanto os deles são profissionais e precisam entrar em campo para vencer, independente se estão com os salários atrasados ou não", disparou o comandante do Coxa.

Com ou sem incentivo, o torcedor rubro-negro espera os três pontos.

*Sob a supervisão doeditor Léo Santana