Nas Ruas

Qua, 06/11/2019 | Atualizado em: 06/11/2019 às 04h05


Nas Ruas

Protesto Grupo reivindica terras e proteção

Bruno Brito*
A+ A-

Cerca de 150 manifestantes ocupam a sede da Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na Bahia, no bairro de Sussuarana, em Salvador, desde a manhã de ontem. O grupo, que passou a noite nas dependências do órgão, pede a titulação das terras quilombolas na Bahia. Eles também denunciam os ataques aos povos quilombolas.

Durante a manhã de ontem, o grupo pleiteou uma reunião que congregasse o Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA), Superintendência do Patrimônio da União (SPU), Fundação Cultural Palmares e outros órgãos. A intenção é que o Incra realize a intermediação com os demais órgãos.

Em carta aberta da Articulação Nacional Quilombola (ANQ), o grupo diz que "em honra pelo sangue derramado de nossos ancestrais, pelo presente e pelo futuro de nossos filhos e filhas, netos e netas, estamos em campo nos dias 5 e 6 de novembro de 2019, ao som de maracás e tambores iluminados pelos nossos encantados e orixás, em defesa de nossas vidas e dos territórios livres".

Integrante da ANQ, Antônio Jorge falou sobre o atraso nos processos de titulação das terras. Segundo ele, desde 2012, o Incra não dá continuidade em processos de demarcação de terras quilombolas "por falta de pessoal e dinheiro".

Segundo ele, existem processos que precisam apenas da assinatura do presidente da República para a demarcação. "Além de processos que não andam, como o de São Francisco do Paraguaçu e de São Francisco do Conde", completou.