Te Contei?

Sex, 01/11/2019 | Atualizado em: 01/11/2019 às 04h05


Te Contei?

No Styllo se renova Com novo vocalista, banda faz show hoje, no Paripe Hall

durval ferreira*
A+ A-

A banda No Styllo inicia o mês de novembro com muitas novidades. O novo vocalista do grupo, Allan Vieira, irá fazer a sua estreia, hoje, no Periperi Hall, no evento Baile do Fogo.

Cheio de expectativa, Allan explica como surgiu o convite para integrar a banda. "Eu fazia parte de outra banda, e fui fazendo algumas participações, até que fui convidado pra fazer a audição. Hoje, estou integrando essa banda" explicou o cantor, cheio de alegria.

Para a sua estreia, Allan não esconde a ansiedade e promete um repertório mais atual e com uma linguagem diferente do que já foi usado. "A expectativa está grande. Estamos preparando um repertório bacana para a galera, com músicas mais atuais, até mesmo pra gente acabar conquistando esse público", contou.

Além de Allan Vieira, Suh Mendler é uma das novidades da nova fase da banda, como backing vocal, e não esconde a felicidade e o nervosismo para a estreia: "Estou ansiosa demais, mas estou muito feliz! Espero que possamos fazer um grande show. As pessoas estão comentando, principalmente por causa da estreia de Allan Vieira. Então, sei que vai ser top".

Também backing vocal, Gil Souza, veterano da No Styllo, adianta as novidades: "Estamos confiando 100% no trabalho de Allan. Vamos representar o nosso pagode baiano e mostrar tudo o que temos, sem baixaria e fazendo a alegria da galera", revelou Gil.

Para o Carnaval do ano que vem, o backing vocal adianta que o bloco As Incabuladas está confirmado. "Vamos chegar com As Incabuladas e 'geral' pode aguardar muita diversão e curtição", garante Gil Souza.

Além da música "Joga pra mim", que será lançada hoje, Allan Vieira conta o que mais o público pode esperar de novidades. "Estamos preparando um EP de oito músicas, com autorais e atuais. Estamos pensando em agradar o público com canções que façam a galera dançar. Sem muita muvuca, nossa proposta é trabalhar músicas com passinhos, diferente da estrutura que é usada em paredões e chácaras. Criamos uma ideia diferente e nunca usada na Bahia", contou.

*Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos