Nas Ruas

Sex, 04/10/2019 | Atualizado em: 04/10/2019 às 07h49


Nas Ruas

Cortes levam defensores da educação para a rua

Bruno Brito*
A+ A-

Professores, alunos, técnicos e sindicatos estiveram presentes, na manhã de ontem, na manifestação em favor da educação e contra os cortes de verbas. O ato começou no Campo Grande, por volta das 10h. Os manifestantes seguiram em caminhada até o Campo da Pólvora. A manifestação marcou o segundo dia da greve geral da educação.

Durante a caminhada, os manifestantes gritaram palavras de ordem contra o governo e contra os cortes de recursos da educação. Líderes sindicais defenderam a autonomia universitária, posicionaram-se contra o projeto Future-se e contra a privatização das universidades.

Participaram também alunos da Universidade Federal da Bahia (Ufba) e da Universidade Estadual da Bahia (Uneb) e entidades como a Associação dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Aduneb), Sindicato dos Professores das Instituições Federais de Ensino Superior da Bahia (Apub), União dos Estudantes da Bahia (UEB), União Nacional dos Estudantes (UNE). "Estamos aqui contra o desmonte da educação que não começou agora. O governo Temer aprovou a PEC dos gastos públicos (PEC 95), que congela o orçamento, principalmente da educação. Não tem como investir em educação com essa PEC", disse o coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), Rui Oliveira.

O estudante de licenciatura em história da Ufba Tarcísio Santana, 28, esteve presente. "O governo de Bolsonaro vem fazendo reiterados cortes contra a educação, que é o setor em que mais precisa ser investido. A educação é a base de tudo", disse.