Viver Bem

Sáb, 31/08/2019 | Atualizado em: 31/08/2019 às 04h03


Viver Bem

O desejo de fazer a 'ousadia proibida'

Allan Ribeiro*
A+ A-

Para quem tem a vida sexual ativa, falar sobre o assunto é algo normal. Mas em quais lugares você anda fazendo essas 'ousadias'?

Bom, algumas pessoas preferem o momento de prazer na boa e velha cama, no conforto de casa, na segurança e paz. Já outros adoram aquela adrenalina de lugares inusitados, como na escada do prédio, em algum lugar no trabalho, no banheiro de um local público, na piscina, no mato, no elevador, no avião, no ônibus ou onde o fetiche da pessoa pedir.

Sobre fetiche, existem vários. Um deles é justamente o de fazer em lugares diferentes, que possibilitem essa sensação do proibido e perigo de poder ser pego "com a boca na botija".

Um bem diferente e exótico foi o caso de R.A., 35 anos, entrevistado que revelou sua aventura sem pudor. "Eu já fiz no cemitério. Estava com meu parceiro naquela vontade, e um dos locais que era escuro e ninguém passava à noite era o cemitério", contou.

Ele ainda continuou: "Quando a gente chegou lá no local, também tinham outros casais fazendo as brincadeiras, e foi ali mesmo que a gente se pegou. Tinha gente que, quando queria ficar mais à vontade, pulava o muro do cemitério, que não era muito alto, e 'descia o pau', se é que me entende!", brincou.

Além da adrenalina, claro que eles sentiram muito prazer. "Ali mesmo, na tumba, que a gente fez o negócio, encostou e pronto", revelou.

O caso acima é um dos muitos exemplos de situações que podem acontecer por fetiche, por vontade de fazer sexo em algum lugar diferente ou até mesmo pela oportunidade.

A coach sexual e consultora de casais Ana Marcia Leal afirma que esses acontecimentos no sexo são normalmente ligados ao fetiche. "Tem gente que se excita pensando em fazer sexo no elevador, dirigindo, dentro do avião etc. Tudo isso ligado a fetiche. Pensar na possibilidade de ser pego fazendo sexo nesses lugares faz com que essas pessoas se excitem", disse.

Outro exemplo de "viver o momento" é o de S.J., 23 anos, que não perdeu tempo durante o trabalho. "Eu estava lá no trabalho e minha 'mina' chegou para me ver. Aí, já sabe, né? Rolou", confessou o trabalhador.

A coach sexual ainda complementou que o estímulo do prazer para os casais está em "serem pegos fazendo sexo em lugares proibidos ou que podem ser vistos por outras pessoas. Porém, muitas vezes, no calor do momento, não dá para esperar chegar em algum lugar mais adequado para o sexo e acaba acontecendo onde estiverem", concluiu Ana Marcia Leal.

* Sob a supervisão do jornalista Tiago Lemos