Plantão

Ter, 21/05/2019 | Atualizado em: 21/05/2019 às 13h01


Plantão

Sexta vítima tem morte atestada

Raul Aguilar
A+ A-

Morreu ontem no Hospital do Subúrbio Arthur Silva de Jesus Moreira, 23 anos, a 6ª vítima da chacina ocorrida na rua Boca da Mata, em Portão.

A principal linha de investigação da polícia para o massacre que vitimou seis pessoas – cinco no local, no início da noite do último sábado (20), e uma ontem – é uma tentativa de retomada do domínio sobre as bocas de fumo da região.

Segundo a delegada Andrea Arrais, titular da 34ª Delegacia Territorial (Portão), a principal hipótese é a de que o crime tenha sido praticado por integrantes do Bonde do Maluco (BDM), que aproveitavam o momento no qual rivais do Comando da Paz (CP) estavam em Vila de Abrantes, Camaçari, comemorando o aniversário de um comparsa, para agir. "Temos informações de que membros do BDM aproveitaram que os líderes do tráfico estavam em uma festa para executar os crimes. Um dos autores da chacina é Manoel Plínio da Conceição, 25 anos. Ele foi identificado por uma testemunha, no momento em que atirava contra as vítimas", afirmou a delegada.

Andreia informou que Plínio, que responde a vários processo por homicídio, é o matador da quadrilha que tem como membros Paulo Robson Carvalho dos Santos, 29, apelidado de Lambe Tchola, que saiu do sistema prisional há um mês e que, segundo informações de populares, também participou da ação. Outros suspeitos de atuarem na chacina são Mateus Santos de Jesus, o Boréu, 28, e Cláudio de Jesus Soares, o Buscopeu, 33, todos do BDM.

De acordo com a titular da 34ª DT, os homens estavam na Boca da Mata atrás de rivais do CP, entre eles Alex Silva dos Santos, o Léo Pequeno, Daniel Santos da Silva, o Pacato, e Rogério Ferreira Sampaio, apelidado de Patolino, gerente do tráfico em Portão.