Esporte

Sex, 12/04/2019 | Atualizado em: 12/04/2019 às 14h49


Esporte

Entra na roda e ginga

Allan Ribeiro*
A+ A-

Em Salvador o 'Projeto Ginga De Peito Aberto II' tem se destacado por ter alcançado e beneficiado, no seu segundo ano de atividades, mais de mil estudantes na capital baiana. Voltado para as crianças e adolescentes de sete a 17 anos, dos bairros Vales das Pedrinhas e Cristo Rei, o projeto é gratuito e traz a capoeira como ação principal para a formação cidadã e o acesso à educação através da cultura popular.

O coordenador pedagógico do Projeto Ginga, Anderson Lopes, revela qual o objetivo principal que impulsiona a existência do projeto em Salvador. "O foco é preservar o Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro com o fomento da prática da capoeira entre crianças e adolescentes", ressalta. As atividades acontecem nas Escola Municipal Vale das Pedrinhas e Escola Municipal Cristo Rei em salas reservadas para as atividades nos turnos opostos que os alunos estudam.

São ministradas aulas de capoeira e atividades que contam a história do esporte brasileiro. "Fazemos ainda outras ações com os alunos, como o evento 'Griô da Capoeira', onde trazemos um mestre convidado para contar sua história e como essa arte o ajudou na vida. Os alunos ainda têm contatocom atividades ligadas a Capoeira, como o maculelê, o samba de roda e a puxada de rede", destaca Anderson Lopes.

O Projeto Ginga De Peito Aberto, que é executado pela Organização Social De Peito Aberto, por meio da Lei de Incentivo a Cultura, em 2019, abriu 450 vagas para as crianças e adolescentes da região, sendo 225 para o Vale das Pedrinhas e 225 para o Cristo Rei. O coordenador pedagógico ainda alerta, que estas vagas podem ser estendidas para mais crianças. "Estamos cogitando a possibilidade de abrir vagas para crianças das comunidades do entorno, mas que estudam em outros colégios".

* Sob a supervisão doeditor Léo Santana