Esporte

Qui, 21/02/2019 | Atualizado em: 21/02/2019 às 05h08


Esporte

Xô preconceito!

gabriel conceição*
A+ A-

Muitos árbitros costumam ser vaiados quando entram em campo para apitar uma partida de futebol, no entanto, este não é o caso de Fábio Santana, de 36 anos, mais conhecido como "Fabety Boca de Motor". Ele é aplaudido e ovacionado pela torcida quando pisa no gramado. Fama esta que se deve também ao passado dançarino do árbitro, que era visto 'metendo dança' em vários vídeos que viralizaram na internet, além de protagonizar propagandas eleitorais bem engraçadas e que fizeram muito sucesso.

Bastante alegre, excêntrico e apaixonado pelo que faz, Fábio conquistou os campos do município de Lauro de Freitas, onde teve um grande destaque apitando jogos de futebol amador. Foi de lá que Fabety conseguiu uma recomendação, tornando-se árbitro da Federação Baiana de Futebol (FBF) em 2002. Atualmente, o juiz é um dos grandes nomes da arbitragem que compõe o quadro da Copa Cajazeiras.

Tal gosto por apitar jogos surgiu de seu pai Antônio Ramos, ex-massagista do Bahia, que desde criança o levava para assistir os jogos do Tricolor na Fonte Nova. "Eu sempre tive um amor pelo esporte. Meu pai foi minha grande inspiração. Assistindo a várias jogos, fui adquirindo um gosto pela arbitragem, surgindo o interesse de seguir aquilo", revela Fabety.

Além de árbitro, Fábio é um grande ativista das causas LGBT. Ele faz parte do núcleo LGBT municipal em Salvador e será o organizador da 12ª parada da diversidade LGBTQI+ , da Cidade Baixa, que acontecerá no último domingo do mês de setembro. Após ter sofrido alguns preconceitos exercendo sua profissão, Fabety deixa um recado 'babado' para os homofóbicos. "Sempre fui assumido. Eu amo quem eu sou. As pessoas têm que aceitar e jamais te julgar ou ofender pela sua orientação sexual. Sou feliz por nós e trabalho de coração".

*Sob a supervisão do editor Léo Santana