Viver Bem

Qui, 24/01/2019 | Atualizado em: 24/01/2019 às 05h02


Viver Bem

Há saída para a crise existencial

Nágila Santana
A+ A-

"Quando eu era mais nova, sempre escutava dos meus pais que deveria estudar bastante, me formar, ter um bom emprego, me casar e ter lindos filhos. Cresci com isso em minha cabeça, mas, com o passar do tempo, percebi que as coisas não eram bem assim. Isso acabou comigo. Aos 25 anos, eu não estava casada. Tinha me formado, mas não conseguia arrumar um emprego e acabei entrando nessa crise, questionando a minha existência nesse mundo. Sempre me perguntava o que havia feito de errado", contou a publicitária Milena F., de 29 anos.

As pessoas são seres livres e totalmente responsáveis pela própria felicidade. Entretanto, muitos indivíduos questionam sobre qual o verdadeiro sentido da vida. É aí que a crise existencial pode acontecer, como no caso de Milena. Mas, você sabe o que é isso?

"Crise existencial refere-se a um momento na vida de uma pessoa onde ela questiona seu propósito. Em geral, neste momento, elas experienciam muitas dúvidas e questionamentos sobre si mesmo, o que fazem e por onde caminhar a partir daquele instante", diz o psicólogo comportamental Vítor Friary.

Esse momento pode gerar uma desregulação emocional, onde o indivíduo fica frequentemente deprimido, além de ansioso e preocupado. "A pessoa pode experienciar sintomas físicos como dores, desconfortos corporais, enjoos, náuseas, dores de cabeça, desânimo e fadiga. Também podem se encontrar atrapalhados por pensamentos, e têm uma tendência a se sentirem menos inteiros em atividades que, outrora, tinham prazer em realizar", explica o especialista.

Para vencer essa etapa, o psicólogo comportamental indica que as pessoas devem encarar o futuro como uma experiência natural, assim como todas as outras etapas que passam na vida. "O que podemos fazer quando o medo do que pode acontecer no futuro aparecer é identificar quando ele surge, darmos as boas-vindas a ele e trazer o nosso foco para o que podemos realizar e fazer hoje, que seja gratificante e significativo para nós. Expectativas específicas, de como a vida tem que se desenrolar, tendem a frustrar as pessoas, porque, em geral, tudo sai diferente", explicou.

"Quando suavizamos as expectativas e aprendemos a focar naquilo que é importante, não somente em resultados, temos a nos frustrar com menos profundidade e ficamos mais soltos para trocar de rumo e fazer alterações pelo caminho", finaliza Vítor Friary.