Nas Ruas

Sáb, 05/01/2019 | Atualizado em: 05/01/2019 às 05h01


Nas Ruas

Abayomi luta para manter a alegria e o trabalho social

Catarina Alcantara*
A+ A-

A palavra abayomi tem origem iorubá e significa: aquele que traz felicidade ou alegria. Interpretando ao pé da letra, o significado do nome da Instituição Entidade Abayomi nada mais é do que uma das intenções da sua fundadora, Gabriela Mel Girasso, 25 anos, que, além de alegrar, conscientiza, ensina e resgata, das garras da marginalidade para o mercado de trabalho, diversos jovens das comunidades da região de Simões Filho. Segundo Gabriela, a instituição foi criada há oito anos com intuito de levar cultura, entretenimento e o resgate da cidadania para os jovens da periferia. Com cursos de dança afro, capoeira e hip hop, a Abayomi é referência na militância e combate ao racismo contra o povo negro na Região Metropolitana de Salvador. A entidade sobrevive de doações, mas, após cortes de verbas realizados por gestores públicos, está precisando de ajuda para se manter de pé. "Estamos sobrevivendo por causa dos pais, da comunidade, da diretoria e dos amigos da causa, como o mestre de capoeira Tonho Matéria", lamenta Gabriela. Além de material de limpeza, eles solicitam doações de material de sonorização, cestas básicas, auxílio para reparo de veículo que realiza o transporte dos alunos até a sede – localizada em um local de difícil acesso –, e auxílio para investimento nos ensaios e figurinos das apresentações que realizam no Carnaval e demais eventos importantes na cidade e região. A idealizadora do projeto revela que, diante das dificuldades, alguns pais e alunos sugeriram a execução de manifestos nas ruas. Mas, ela desaprovou as sugestões. "Eu quero respeito, não quero que a casa seja marcada por conseguir as coisas na marra. Tudo que ensinamos aqui serve como mecanismo cultural e como protesto também, protesto com cultura e conhecimento que nos levará muito mais além".