Nas Ruas

Qui, 03/01/2019 | Atualizado em: 03/01/2019 às 05h01


Nas Ruas

IMPASSE Auxílio-transporte gera prejuízo para policiais

Milena Teixeira
A+ A-

A TARDE BA

Na tarde de ontem (2), o Governo disse, em nota, que um novo decreto, publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) de hoje (3), vai alterar a Lei nº 7.990, de 27 de dezembro de 2001 e, com isso, 33 mil militares passarão a receber o auxílio-transporte, na capital e no interior.

"A concessão do auxílio-transporte para os policiais e bombeiros militares atende a um pleito da categoria. Com o pagamento do benefício, o Governo terá uma despesa anual de R$ 65 milhões. O pagamento deste mês de janeiro já está sendo processado e será feito na próxima semana", informou a nota.

O impasse envolvendo a gratuidade dos policiais civis e militares nos ônibus voltou à tona quando o STF divulgou, no dia 14 de dezembro do ano passado, uma decisão a favor da Integra.

O presidente do sindicato dos Policiais Civis e Servidores da SSP-BA, Eustácio Lopes, disse que cada profissional recebe R$ 85 reais de transporte para se deslocar. De acordo com ele, com a decisão, os policiais vão ficar prejudicados. "Essa decisão vai gerar um grande prejuízo aos servidores que terão que pagar o transporte com o próprio salário", afirmou Estácio. O salário de um policial civil, segundo ele, inicialmente é de R$ 3.500. Ainda segundo o representante da categoria, a suspensão do benefício vai trazer prejuízo para investigações da Polícia Civil.

"A gente trabalha com inteligência. Então, muitas vezes trabalhamos disfarçados e precisamos entrar nos ônibus. Com essa liminar vai ficar difícil de trabalhar", explicou o presidente do Sindipoc.

Apenas os policiais que trabalham na capital baiana, sendo 12 mil militares e quase três mil civis, tinham direito à gratuidade.