Plantão

Qua, 02/01/2019 | Atualizado em: 02/01/2019 às 14h19


Plantão

Ferryboat Segurança mata jovem a tiros

Euzeni Daltro
A+ A-

"A gente só quer justiça. Eu sei que é difícil porque a gente vive em um país onde não há justiça. Mesmo se a gente andasse 'errada', não era justificativa para ele fazer um negócio desse. Foi uma covardia. O tiro foi por trás. Nada vai trazer ele de volta, mas eu vou até o fim", desabafou o balconista Micael Maimone, 24 anos, sobre o assassinato do primo, Pedro Costa Rosedal Júnior, 25.

O desabafo foi feito durante o sepultamento do corpo de Júnior, no início da tarde de ontem, no Cemitério Quinta dos Lázaros, na Baixa de Quintas. Ele foi assassinado a tiros na madrugada da última segunda-feira (31) em Bom Despacho, na Ilha de Itaparica.

O primo e dois amigos que estavam com Júnior no momento do crime afirmam que ele foi morto nas dependências do sistema ferryboat, no terminal de Bom Despacho, por um segurança que atua no sistema.

Os jovens foram à ilha no domingo (30) para curtir shows, em Barra do Gil, e pretendiam voltar no mesmo dia para passar a virada do ano com familiares e amigos no bairro de Vila Laura. Eles chegaram ao terminal por volta das 3h20 de segunda-feira (31) e foram informados que a próxima embarcação só sairia às 5h.

Diante disso, Júnior, Micael e os dois amigos passaram por um portão de acesso às dependências do terminal de Bom Despacho para descansar, enquanto esperavam a saída da embarcação. Outras pessoas também aguardavam pela embarcação no local, conforme os relatos.

“De repente, meu primo passou o segundo portão e a gente acompanhou. Ele se deitou em um local para descansar e, logo depois, o segurança saiu da guarita dando tiros para cima e caminhando na direção de Júnior. Ele disparou dois tiros”, contou Micael.

Os relatos das testemunhas ainda dão conta de que o atirador se aproximou de Júnior perguntando em qual parte do corpo ele queria ser baleado. O jovem ainda colocou as mãos sobre os ombros do suspeito, pediu calma e disse que estava apenas aguardando o horário para comprar passagens para Salvador. Mesmo assim, o suspeito o segurou pela camisa, o empurrou e ordenou que ele corresse.

“Júnior não correu. Saiu caminhando e, poucos passos depois, o cara deu dois tiros nele. Um tiro atingiu a nuca e ele caiu de cara no chão. O outro pegou na mão”, contou Micael.

Ele e os amigos fugiram por medo de serem mortos. O grupo voltou minutos depois e viu Júnior agonizar e morrer ali mesmo. Micael nega a versão de que ele, Júnior e os amigos brigaram em uma festa de paredão.

O outro lado

A administração do sistema ferryboat informou que o terminal de Bom Despacho realizou a última viagem às 23h30 de domingo (30) e retornou somente às 5h de segunda-feira (31). Nesse intervalo, o local ficou fechado.

“O sistema conta com serviço de segurança terceirizado, com o qual apurou e recebeu a informação de que não houve qualquer envolvimento com o ocorrido. A empresa se coloca à disposição das autoridades, contribuindo com o que for preciso”, diz a nota da empresa.

A Polícia Civil informou que diligências têm sido realizadas com o intuito de identificar e prender o suspeito. Além disso, imagens de câmeras de segurança foram solicitadas e depoimentos de testemunhas foram colhidos.