Nas Ruas

Sex, 28/12/2018 às 10h57 | Atualizado em: 28/12/2018 às 11h05


Nas Ruas

Luto: Morre Mãe Stella de Oxóssi

Roy Rogeres
A+ A-
Morre, aos 93 anos, Mãe Stella de Oxóssi - Joá Souza | Ag. A TARDE
Morre, aos 93 anos, Mãe Stella de Oxóssi
Joá Souza | Ag. A TARDE

A Tarde BA

A Ialorixá Maria Stella de Azevedo Santos, a Mãe Stella de Oxóssi, deu o seu último suspiro na tarde de ontem, aos 93 anos, no hospital INCAR, em Santo Antônio de Jesus, onde estava internada desde o último dia 14 para tratar uma infecção.

Mãe Stella, também chamada Odé Kayodê, nome recebido após a iniciação no candomblé em 1939, foi uma das maiores e mais respeitadas líderes religiosas do Brasil e internacional, cuja importância atravessou as fronteiras continentais.

Foram 43 anos à frente de um dos terreiros mais famosos do País, o Ilê Axé Opó Ofunjá, em Salvador, e mais de 80 anos de contribuição histórica para a religião do Candomblé, o que fez de Mãe Stella de Oxóssi uma referência da Bahia para todo o mundo.

Seu legado está imortalizado desde 2013 na Academia de Letras da Bahia (ABL), onde ocupou a cadeira nº 33, e nas inúmeras páginas documentadas de livros, artigos, estudos e jornais que ajudam a contar e a perpetuar a história da mais famosa sacerdotisa baiana. Ela deixa um importante legado para a educação, a religiosidade e a cultura brasileira. "Ela sempre foi uma mulher avançada para o seu próprio tempo, não só como mulher, pois ela sempre foi uma líder feminista no sentido do empoderamento e da participação da mulher, e teve uma grande preocupação com o ensinamento do Axé", considera Nelson Pretto, professor titular da Faculdade de Educação da UFBA. As consequências dos trabalhos das mais diversas naturezas conferiram a Mãe Stella não só títulos e o respeito como sacerdotisa, mas a referência de uma liderança espiritual com muita visibilidade.